11.7.14

Optimus Alive

Senti-me que nem fiambre no meio de uma sandes, estive cerca de 8 horas em pé, com pouca água e pouco espaço, mas, apesar de tudo, valeu a pena e foi fantástico!
Vi todos os concertos do Palco NOS, mas aqueles que me interessavam era o concerto dos The Lumineers e dos Imagine Dragons (e dos Arctic Monkeys).
Adorei os Lumineers e ainda mais o vocalista deles, que passa a ser, a partir deste momento, o meu tipo de homem! E ontem estava com uma barba muito maior, mas com aquele chapéu. Enfim... 
Mas o momento mais fantástico foi aquele em que o Wesley (este menino aqui ao lado, o vocalista dos Lumineers) pediu para todos baixarem os telemóveis e apreciarem o momento. Isto foi durante o "Ho, hey". Achei muito bem! As pessoas parecem mais preocupadas em gravar os concertos, do que propriamente apreciá-los no momento e eu acho isso parvo, para além de que as câmaras no ar, reduzem o campo de visão para o palco... 
Outra coisa parva, é as pessoas sentarem-se no meio da multidão, entre os concertos. Mas querem morrer espezinhadas ou quê? Juro que não sei o que deu a certas pessoas para se sentarem, quer dizer, sei, cansaço, a questão é que aquilo podia ter corrido mal! 
Oh well...
Imagine Dragons partiram aquela merda toda! Foi do melhor! Li um artigo do público a dizer que eles não eram nada de novo nem original e que nem se percebia como é que tinham sucesso... As críticas dos jornais portugueses irritam-me, porque parece que nunca nada está bem, que tudo é medíocre e péssimo. 
Mas falava dos Imagine Dragons. Eles são fantásticos em palco e existe muita dinâmica entre eles e o público, o que dificultou a tarefa para os outros que vieram a seguir: Interpol.
Não conhecia nada da banda, portanto, não estava muito interessado no concerto deles, bem como a maior parte do pessoal que ali estava, pelo que eu conseguia ver e ouvir. O que a maioria queria eram os cabeças de cartaz: Arctic Monkeys! No entanto, deram um bom concerto.
Foi penosa a espera pelos Arctic. O meu grupo de 4 ficou reduzido a 2, quando duas das minhas amigas foram embora durante o concerto dos Interpol, porque a sede e a vontade de recuperar o espaço pessoal era maior, do que estar ali à frente a ver Arctic Monkeys. Tive vontade de fazer o mesmo, porque só conheci Arctic este ano e só ia ouvindo com frequência o AM (último album), mas não queria deixar a minha outra amiga ali sozinha no meio da multidão, ela, que é super fã deles e já sabia que iam começar com Do I Wanna Know e que iam ter encore onde iam tocar 3 músicas de seguida. Gostei do concerto, embora a interacção com o público não fosse tão grande. Não conhecia algumas músicas, mas diverti-me na mesma. Para mim, o melhor momento foi quando cantaram a 505, que é uma música de outro album e que ninguém estava à espera que cantassem, porque é a minha música favorita deles!
Fiquei com uma voz diferente e super sexy, com uma bolha no dedo mindinho do pé direito e com uma dor de pés e pernas que nem vos passa pela cabeça, mas hoje, se pudesse, repetia a dose! 
Para o ano, se o cartaz for tão apelativo para mim como este ano, quero ir os 3 dias!

P.S: Os gays andaram por lá. Isto é, havia lá uma bandeira arco-íris a certa altura. 

2 comentários:

Flávio Miguel Matos disse...

Foi brutal os imaginários dragões xD hahahahahahha muito bom mesmo adoro a banda

Horatius disse...

São aquilo a que se podem chamar "Ossos do ofício", essas dores todas :)