29.4.14

O meu dia...

...começou ás 5 da manhã, para corrigir um relatório que ficou feito à uma da manhã, para ser entregue è professora, às 8 da manhã. A essa hora, tive uma aula que durou até às 11. Três horas de aula, foi tão difícil aguentar-me, mas consegui não adormecer!
Tenho 3 cafés no bucho e até me estou a aguentar bem. Consegui convencer os meus pais a deixarem-me aproveitar a campanha dos livros do Paul Auster a metade do preço na LeyaOnline e aproveitar também a promoção dos 5 euros de desconto em comprar superiores a 20 euros, pelo que três livros do Auster estão a caminho da minha casa (e eu super feliz! =D).
Já estive a estudar Bioquímica, já estive a ler um pouco do "Nós", uma distopia de 1920 que serviu de base ao "1984" do Orwell (que eu AINDA não li).
Ao escrever isto tudo, até sinto que o meu dia foi produtivo. Contudo, sinto que devia ir estudar mais um pouco.

27.4.14

Isto chateia-me

Quero começar este post por dizer que não a criticar ninguém. Este post reflecte apenas o meu ponto de vista. 
[Eu ia escrever um post bonitinho, mas apaguei o que escrevi porque não estou com paciência e prefiro ser directo.]

Gente, vamos lá a ver se nos entendemos: eu não posso pensar sequer em começar uma relação mais profunda, quando nos conhecemos na semana passada no manhunt ou onde quer que seja, ok? Se nem sequer ainda nos encontramos pessoalmente...! Epah, não sei, chateia-me isto!
E depois, chateia-me dizerem-me "Não posso construir algo contigo assim", quando eu digo que tenho estudar, quando tento marcar um café a meio da semana e ele só pode aos fins-de-semana e eu no próximo não estou cá.
Opah, sou eu que ando a ver demasiados filmes ou é preciso conhecermo-nos minimamente bem, antes de sequer começar pensar se gostamos ou não da outra pessoa? Acho que hoje está tudo com demasiada pressa e isso chateia-me, a sério que sim!

26.4.14

Ter vontade de ir despejar a bexiga, mas estar deitado na cama com o pc ao colo a actualizar-me nas lides da blogosfera e estar todo dorido do dia de hoje na Serra de Sintra. Ninguém merece. Nem merece o facto de não ter nem uma alma caridosa para vir fazer uma massagem e um chá (porque a garganta dói!). Ohh, triste vida a minha!

Eu não quero ser eu por... lets say... 4 semanas, pode ser?

Acho que me levo demasiado a sério. Sei lá... Ou acho que sou demasiado sério. Mas não, também não é bem isso. Sei lá...
Acho que é exaustivo ser eu. E não por tudo aquilo que tenho de fazer, mas sim por tudo aquilo que passa pela minha cabeça, todos os pensamentos, cenários e merdas que me poluem a mente. Mas eu sou assim...
Só que, seria pedir muito ter umas férias de mim próprio?

Diz que é melhor que falecer

Não sirvo para ser fã incondicional de ninguém.
Afinal, a pessoa que eu ia venerar não é mais divina que eu, portanto, não é menos humana e menos susceptível de cometer erros e ter imperfeições.
Dito isto, devo dizer que o programa do Ricardo Araújo Pereira na TVI me está a desiludir um pouco, porque, como ouvinte assíduo da Mixórdia, já conheço muitas das rábulas que ele apresenta na TVI.

15.4.14

These are the questions (to which I have no answer)

O que é que me faz falta?

Porque é que me sinto tão vazio?

Porque é que não sou feliz?

14.4.14

Eu devo ser muito rico e não o sei!

Leiam o ponto 6 deste post que eu escrevi à umas semanas, é que tenho que voltar a este assunto.
Contextualizando: no outro dia, vi uma reportagem na RTP1, que comparava a situação de uma família de funcionários públicos com dois filhos, antes de começarem os cortes e depois de aplicados todos esses cortes (acho que era em 2011 e 2014, dia 1 ou 2 de Abril).
Diziam que desde 2011 tinham mudado muitos hábitos, nomeadamente o hábito de comer peixe, porque é mais caro (e é!), e o hábito de a senhora ir ao cabeleireiro todas as semanas.

Senti uma revolta tão grande ao ouvir isto! Eu não sou daquelas pessoas que não tem pena dos funcionários públicos, que diz que eles merecem os cortes, porque não tenho como saber isso! Agora, revolta-me estas reportagens, em que as pessoas se vão para ali queixar, fazendo parecer que estão à beira de ir viver para a rua, coisa que não é verdade, quando, na casa delas, entra o dobro do dinheiro que entra na minha casa. É revoltante e já o disse e torno a dizê-lo.
Cheguei a casa na quinta feira à noite, por volta das 23h, desde aí, fiz cerca de 3 refeições de peixe em 6 refeições (almoço e jantar, sexta a domingo). Os meus pais não são funcionários públicos, a minha mãe recebe uma miséria a que decidiram chamar reforma e o meu pai recebe pouco mais que o salário mínimo!
Obviamente que, há uns anos, também nós vivíamos melhor, mas adaptámo-nos ao que tínhamos e não andamos para aí feitos coitados! Tivémos que reduzir nas despesas, mas acho que hoje, comemos muito melhor do que comíamos quando tínhamos mais margem financeira...
Mas, atenção, cada um gere o dinheiro da forma como quer, afinal é seu e eu não tenho nada a ver com isso, só não quero é que se venham queixar que estão mal.
Acho que queria dizer mais coisas, mas esqueci-me.

10.4.14

Cheguei a casa. Já não vinha cá desde o primeiro fim de semana de Março, o fim de semana dos Oscars, em que vi cá de propósito só para ver a cerimónia.
Apercebi-me, quando cá cheguei, de que já tinha algumas saudades. Não penso muito nisto em Lisboa, porque, um, não tenho tempo, dois, gosto demasiado da cidade para andar por lá triste a pensar na minha.
Mas isto aqui é diferente (não vou dizer melhor, porque não é)! Adoro sair à rua de noite e ter um céu limpo e estrelado, coisa que raramente consigo em Lisboa. Hoje vi, pela primeira vez em meses, a constelação de Orion, a única que eu sei identificar no céu. Soube bem.

7.4.14

São dias como este...

... que me fazem questionar a minha sanidade mental e a minha personalidade. Nem sei porque saí da cama hoje.

4.4.14

Aaaaaaaand... he said it! I don't know what to do

Escrevi o post anterior antes de ver a resposta dele.
Agora já sei que ele gosta de mim. Disse-o em inglês e com erros, mas deu para perceber. E agora estou borrado de medo, porque eu não o quero magoar. Vou ter de falar com ele... E logo eu que odeio falar cara a cara com pessoas, sobre os meus sentimentos.

E é por isto que vou morrer solteiro e servir de comida para os meus 40 gatos. #2

Sou péssimo a perceber sinais e indirectas neste campo. Devo ser uma das pessoas mais distraídas nestas cenas, que nem sei... Passa-me tudo ao lado. Ou então, não, isto é, se calhar sou é que tenho medo de ter interpretado da maneira errada, por isso finjo que não vi nada e espero que me venham dizer algo, directamente, sem mensagens subliminares ou o caraças.
Não sei, acho que ia ficar borrado de medo, mas se me dissessem "gosto de ti de uma maneira estranha", eu ficava a saber com o que podia contar e, quem sabe, o sentimento podia ser recíproco.
Aiii, que coisas complicadas estas!

1.4.14

I'M TERRIFIED

Então, lembram-se deste post? Pois, eu acho que o rapaz has felings for me. E eu digo acho, porque nestas coisas nunca tenho a certeza e também só sei se mo disseram directamente, com todas as letras e mesmo assim, eu vou desconfiar.
Anyway, estou apavorado, porque eu não gosto dele e se o que eu disse for mesmo verdade, então eu não o quero magoar e mandar-lhe sinais errados!

Por outro lado, conheci um rapaz fofinho e tal, mas ele gosta de música latina romântica, música brasileira chunga e lê Nicholas Sparks (o que é um contra para mim, porque são coisas que eu não gosto, atrevo-me, até a dizer que desprezo!).

Oh well...

HIMYM - the end and other stuff

Acabei de ver o final de How I Met Your Mother e...

[SPOILERS! Voltem quando já tiverem visto o episódio ou avancem se não vêem, não falo só de HIMYM neste post]