28.8.13

Eu... já não sei que fazer.

Mas se eu sou uma pessoa horrível o que raio é que ainda ando aqui a fazer? Acabei de ouvir da boca da minha mãe que me estou a tornar numa pessoa horrível, tudo porque disse que não queria pegar nuns quantos pratos porque eram pesados e preferia que ela dividisse aquilo ao meio. Os pratos são de duas qualidades, uns mais pesados e outros mais leves... Perguntou-me logo se queria levar com o rabo da vassoura.
Zanguei-me e virei-lhe as costas, não arrumei merda nenhuma!
Estou tão revoltado com isto, a culpa é minha, sempre minha, sou eu que trago não sei o quê na cabeça, sou eu que sou horrível, mas ela faz sempre tudo bem.
Se sou assim tão mau porque é que não me mato?
Estive para lhe perguntar isto, em vez disso, disse-lhe que, a ser assim uma pessoa horrível, o que é que ainda andava aqui fazer e era para ter acrescentado que não tinha escolhido nascer, mas controlei-me, afinal, não digo tudo aquilo que me vem à cabeça.
A minha mãe irrita-se se lhe respondemos - eu e o meu pai - torto, mas quando ela o faz, a justificação dela é "o que querias que te respondesse?". Isto faz-me as entranhas tremer de raiva!
Este episódio fez-me lembrar os tempos em que saí do armário e a minha mãe dizia todo o tipo de porcaria contra isso... A Mulher Que Me Deu A Vida, porque nessa altura chamá-la de mãe não parecia certo, tal como agora não parece.

Ela queixa-se do filho que tem, de tudo o que faço ou digo, mas, quando me critica, esquece-se, que a vizinha dela lhe vem fazer queixas sobre o filho mimado, que maltrata a mãe e que, quando as coisas não lhe agradam em casa, vai para a casa das tias em frente, estas que, segundo ouço, defendem sempre o menino - mais velho que, dois anos - e atacam a mãe. Queixa-se de mim e compara-me à única pessoa da minha turma, que é deste fim do mundo, mas esquece-se que ele impõe respeitinho à mãe, que lhe diz que faz o que quer com o dinheiro dele e que se gaba de que tudo o que tem no quarto é dele, pago com o dinheiro dele; que responde à mãe que se é por causa da gasolina que o pai não o pode ir buscar à porta da escola, que isso não tem problema que ele paga, pois o dinheiro é dele. Este último exemplo pode ser um excelente aluno na escola, mas... É assim que a minha mãe quer que eu seja?
Porque até parece que eu não ajudo em casa! Ela queixa-se de barriga cheia (e eu também, talvez), mas sou eu quem tem de pensar, quem traz a cabeça cheia de não sei o quê...

DEPOIS DE JANTAR

Ela diz que me compreende, que sabe exactamente o que eu penso e isso é ir para Lisboa, ver-me livre dos paizinhos e andar "à larga". Seria verdade, não fosse eu ter já ter dito aqui e em outros sítios que não penso nisso porque tenho medo! Estou assustado com isso! Vai ser uma cidade completamente nova, pessoas novas, não vou ter as habituais pessoas por perto para me apoiar e ela pensa que o que eu quero é festa!
Estivemos a discutir ao jantar (não vou usar eufemismos) e para ela é perfeitamente normal o facto de ter perguntado se não queria levar com a vassoura, mas eu não ter gostado de ouvir isso é inconcebível! O meu pai acabou por me dar razão, ouvi eu, do meu quarto, depois de ter saído da mesa.
São estes comentários e estas piadolas que ela atira para o ar em todas as situações, que me irritam profundamente! Será que ela ainda não percebeu isso, mesmo depois de eu e o meu pai já lhe termos dito tantas vezes? Não pára para pensar, prontamente, sai um comentariozinho, odioso e dispensável, a meu ver.
Agora que vejo, gerou-se tal discussão por uma merda de uns pratos!
Ela tem aquele feitio, mas eu também herdei parte.
Olhando para trás, outra vez, vejo que o meu pai precisa de uma enorme paciência para nos aturar e assumo que não é fácil, mas nunca o tinha visto, como hoje, a perguntar à minha mãe se estava a ouvir o que estava a dizer.

Quanto ao post anterior e aos comentários feitos, como é que eu posso ignorar coisas assim? Eu sei que criei um mau ambiente, mas...
Enfim, assusta-me pensar que, quando crescer, vou estar sempre enfiado em casa, se eu, hoje já evito sair, ir a festas e assim, por me sentir desconfortável.

2 comentários:

Gil Silva disse...

Por vezes os pais apenas dizem coisas de cabeça quente e nós achamos que é totalmente sincero. De certeza que a tua mãe estava num dia menos bom!

AdamWilde disse...

@Gil Silva talvez, espero que sim!