26.7.13

Sem Facebook - Dia 0

Trago novidades.
A minha candidatura à universidade já foi feita, apesar de continuar com dúvidas sobre se será a melhor opção, no entanto, de uma maneira, diria, egoísta, conforta-me saber que não sou o único com dúvidas e preocupado com o meu futuro académico.
Ainda há muito para ser tratado - bolsa de estudo, alojamento... -, mas estou confiante de que vou entrar na minha primeira opção, longe de casa. Sim, quero sair daqui, aliás, preciso de sair daqui! Vai ser complicado, mas o ambiente nestes últimos dias só tem contribuído para este meu desejo crescer cada vez mais. Não sei se sou eu que sou uma má pessoa, uma pessoa horrível que não se importa com ninguém, ou se, simplesmente, sou mal entendido pelos meus pais; de uma maneira ou de outra, as discussões sucedem-se, infelizmente.

17.7.13

Quem me dera conseguir acreditar no Destino

Quem me dera conseguir acreditar no Destino.
Quem me dera conseguir acreditar em algum tipo de predestinação, alguma coisa que me fizesse sentir que era isto que eu devia estar a fazer e não outra coisa qualquer, que me fizesse sentir que este é mesmo o meu lugar e não outro qualquer, que me fizesse sentir que este é o meu caminho, que eu nasci para isto e não para outra coisa qualquer.
Infelizmente, eu não consigo acreditar no Destino, não consigo acreditar numa vida onde tudo aquilo que eu fiz, faço e farei, está escrito num livro, já foi traçado permanentemente nesse malfadado livro e que não há nada que mude isso. Isto significaria que eu seria um fantoche a representar aquilo que alguém escreveu e isso é impensável! Aliás, toda a ideia de que eu não sou livre de mudar a direcção da minha vida quando quiser, assusta-me simplesmente.
Sendo assim, não conseguindo eu acreditar no Destino, sinto-me perdido. Estou numa encruzilhada e, de onde eu vejo, não tenho apenas dois caminhos para decidir, mas dezenas! Sou eu que tenho de decidir, não está escrito, portanto, se eu seguir por um caminho, chegarei a um lugar, se eu seguir por outro, chegarei a outro lugar. Mas como vou eu saber qual é o lugar melhor para mim? Ou seja, como vou eu decidir que caminho é o correcto para eu seguir, sem olhar para trás e pensar que devia ter escolhido outro qualquer?
Continua tudo cheio de nevoeiro, não há sinais de que este vá levantar nos próximos tempos e isso assusta-me…
Seria tudo tão mais fácil se eu acreditasse no Destino.

P.S: Não tenho tipo paciência para ler blogs, desculpem-me, mas ando preocupado com isto das candidaturas e não tenho muita cabeça... 

11.7.13

Exames

Não tenho andado com vontade de escrever aqui, nem tenho, sequer, coisas dignas de aqui registar, mas hoje fui ver o resultado dos exames...
Tive 16 a português e a matemática, 157 e 155, respectivamente, e a melhoria que queria fazer a Biologia, esqueçam, tive 12. No big deal, fico com o 14 do exame do ano passado, para me candidatar, se tiver de o usar.
A questão é, candidatar ao quê? Sim, as coisas ainda estão assim... De qualquer maneira, tenho até dia 17 para pensar nisso e, depois, ainda até dia 9 de Agosto, quando acabam as candidaturas da 1ª fase.
Decidi que não vou à 2ª fase dos exames, acho que não vale a pena, porque não creio que fosse melhorar muito mais para causar diferença, tanto na nota final de disciplina como na de exame, por isso...
Agora é decidir o curso, fazer as continhas e tal e gozar um bocado as férias que também mereço (aka sair de casa e ir para outro sítio qualquer, sem pc, para ler muito e descansar).

Eu vou dando notícias e, entretanto, pode ser que ponha aqui um textozinho mais giro, sei lá...

4.7.13

Eu queria escrever qualquer coisa, para dar conta de que estou vivo, mas não sabia o quê. Mas agora já sei!

Desde Domingo até a este momento, vi o último episódio de 3 séries diferentes que já me acompanham há algum tempo. O que é que isso tem de especial?
Nada, se eu fosse outra pessoa e se a altura não fosse esta, mas tendo em conta que este é um tempo de despedidas, de grandes decisões que afectarão o meu futuro, em suma, de mudança de vida, então tem muito de especial!  Simboliza, somehow, o fim de um relacionamento de anos com as pessoas com quem convivi nestes anos de secundário (que, deixem-me dizer, não foram nada de especial), os meus amigos, com quem vou manter contacto, ou então, esquecer completamente.
Este é um tempo em que se vai iniciar um novo ciclo, mais um! Lembro-me de que, quando era mais pequeno, tinha diários onde escrevia os meus imensos problemas e que, quando comecei o quinto ano, porque tinha de começar a apanhar o autocarro para ir para a cidade, decidi escrever numa folha do diário em letras garrafais: Uma Nova Etapa. Acho que nunca mais escrevi no diário, mas isso não importa.
É mesmo uma nova etapa que, espero, comece este ano e me seja muito favorável, com céus limpos e muito sol. Porque, para já, está tudo cheio de nevoeiro à minha volta e eu não sei para onde estou a ir, não vejo nada!