12.11.12

Eu (não) estou aqui.


Eu estou aqui. Estou no meu quarto, segunda porta à direita quando se vem da rua e se entra na minha casa.
A minha casa está numa rua larga, com boa vizinhança, numa aldeia nos arredores de uma cidade do interior.
Esta cidade do interior fica em Portugal, o meu país, que está situado na cauda da Europa (ou na cabeça, como preferirem), que é o meu continente. Este continente é um dos 4 (ou 5, ou 6, ou 7, como preferirem) que existe no Planeta Terra, que é o meu planeta e o único que se sabe ter vida inteligente.
Mas eu... Eu não estou aqui. Não estou no meu quarto, segunda porta à direita quando se vem da rua e se entra na minha casa, nem na rua larga, com boa vizinhança, na aldeia nos arredores de uma cidade do interior, que fica em Portugal, o meu país, na Europa, no Planeta Terra, o único que se sabe ter vida inteligente.
Não, eu não estou aqui!
Eu ando por aí, meio acordado, meio a dormir, meio a sonhar, meio a chorar, deslocado do mundo e de mim, já não me reconheço.
Não sei o que sou, nem se sou, talvez viva, talvez exista, certezas não nasceram comigo e duvido que algum dia as terei.
Sei, sim, que não estou aqui.

1 comentário:

sad eyes disse...

Muito bom.
Penso que todos sentimos isso muitas vezes, infelizmente.
Abraço