24.8.12

As últimas...

Escrevo-vos da casa (e do computador) do meu namorado. Amanhã já me vou embora - com imensa pena minha (e dele) - e parto rumo ao Algarve, para uma semana com os meus pais.
Como tenho medo de não chegar a perceber esta história (e porque não tenho tido tempo para ver notícias nos últimos dois dias, porque enfim...), será que me podiam explicar ao certo o que se passou para estar tudo a falar desta imagem:


faziam isso?
Eu já ouvi algumas coisinhas mas não cheguei a perceber nada direito... Eu vejo quando voltar das férias, mas quero mesmo ver, sáchávôr!
Então, até ao próximo fim de semana (isto chega a levar hífen? Com o novo acordo, já nem sei!), portai-vos bem!

P.S.: E a nova decoração do blog, que me dizem? Se estiver bom, fui eu que fiz =D

22.8.12

Quero ler este livro!...


...e todos os outros que ainda não li deste fantástico escritor. Apesar de apenas ter lido uma obra de Paul Auster, posso afirmar que é dos meus escritores favoritos. E isto é literatura minha gente... da boa! 

Abre-se o coração e dá-se o amor.

Eu fui estúpido em convidá-lo para vir dormir a minha casa e ele foi estúpido em aceitar; ambos temos culpa. Já devíamos ter percebido que nunca poderemos ter uma amizade normal, porque existirá sempre aquela cena.
Aquela cena foi e será sempre uma cena importante na minha vida: o meu primeiro namorado, o meu primeiro amor, mas acabou. Acabou e creio que não há volta a dar, pelo menos neste futuro a médio prazo; é que sou feliz com um dos Anónimos deste blog e não troco isso por uma presença física constante.
O meu primeiro namorado veio dormir na minha casa, na minha cama e eu, na minha ingenuidade, era talvez o único a achar que ele não iria tentar nada... Mas estava enganado!
Com palavras doces, encostou-se a mim para me tentar fazer ver que só poderia ser verdadeiramente feliz com ele: que era ele que estava ali e não o meu Anónimo, que era ele que me podia proteger, que era ele com quem estava todos os dias... Mas para que serviria estar com ele todos os dias, se antes não tinha resultado? Ter de estar ao lado dele e fingir que sou um amigo como todos os outros, em todo o lado, era frustrante, sobrando-nos pouquíssimo tempo daquele escasso que já tínhamos.
Se das duas vezes não tinha resultado - ou resultou durante algum tempo, mas a que preço?! - porque iria resultar à terceira? Sim: crescemos, aprendemos um com o outro e poderíamos evitar cometer os mesmos erros e cometer outros novos e crescer ainda mais, mas eu era, sou e serei (assim farei por isso) feliz com o Anónimo deste blog. Não faria sentido deitar fora algo tão bom, magoar alguém tão fantástico como ele, só para tentar mais uma vez, só para satisfazer um capricho...
Confesso que quando conheci o Anónimo (e ele deixou de ser anónimo e passou a ter um rosto, uma voz, um corpo, uma personalidade) e quando percebemos que gostávamos um do outro, eu ainda tinha a esperança de que pudesse voltar para o meu primeiro (e único, até àquela data) namorado. Eu sei que ele estava apaixonado por outro, mas ele dizia-me que num futuro próximo talvez pudesse acontecer alguma coisa entre nós em resposta às minhas tentativas de me aproximar; e eu esperava que esse futuro fosse mesmo próximo.
A porta estava entreaberta, se ele quisesse entrar era só abri-la por completo que eu estaria do outro lado; mas o Anónimo fez-me ver que talvez fechar a porta fosse boa ideia, que talvez deixar que uma janela se abrisse fosse boa ideia... Havia gente a querer entrar e a porta estava ocupada!
Por isso afastei o meu primeiro namorado para a outra ponta da cama... Não era não e agora era tarde demais!
"É tarde demais."
"Porquê?"
"É tarde demais, já sou feliz!"
Decidi fechar a porta por completo quando o Anónimo me beijou pela primeira vez e tranquei-a definitivamente depois de toda esta cena. Não quero nem posso voltar para ele.
Mas o bom de um novo namorado, de uma nova paixão, arrisco-me até a dizer, de um novo amor é uma oportunidade para novos começos, para novas primeiras vezes.
A primeira vez que o beijei; a primeira vez que ele me agarrou a mão e que passeámos de mãos dadas; a primeira vez que me sentei ao colo dele e a primeira vez em que ele se sentou ao meu colo; a primeira vez que o abracei e o senti totalmente colado a mim, sendo parte de mim e nunca mais se desintegrando; o primeiro beijo de despedida... E agora, novas primeiras vezes: a primeira vez a dormir em casa dele, a passar com ele um dia inteiro, de manhã à noite; a primeira vez em que vou acordar ao lado dele; a primeira vez em que a primeira coisa que vejo, é ele!
Quinta-feira apanharei o comboio, sairei na estação certa e lá estará ele à minha espera, pronto para me receber de braços abertos para me dar todos os beijos e todos os abraços que fomos prometendo ao longo destes dias em que estivemos separados.
Ele é o único que eu quero.

20.8.12

AWESOME News!

Dia 24 vou a Lisboa ter com o meu namorado, para passarmos juntos o aniversário dele. Vou lá dormir e volto no dia a seguir. Tenho tantas saudades dele, do sorriso dele (ao vivo), dos beijos e abraços e mordidelas carinhosas...
Dia 26 parto para o Algarve para uma semana de férias só com os meus pais, como já há imenso tempo que não tínhamos! Vai ser giro, até porque tenho imensas saudades da casa dos meus tios.
E então, a modes que estou assim:


Férias Fantásticas!

19.8.12

Festa da Aldeia

-Menina: Mas tu és gay?
-Eu: Sou.
-Menina: Ah, não acredito! Dizes isso assim... Com tanta naturalidade... Tu não és gay!
-Eu: Ok.

14.8.12

Sou "um rapaz de gostos eclécticos" e não fui eu quem o disse.

[Vaya Con Dios - Don't Cry For Louie]

Estou a adorar o que ouvi deste grupo! E, por incrível que pareça, ouvi esta música pela primeira vez na festa da aldeia do meu avô, quando andavam a fazer as últimas afinações e o que tocava era uma playlist... 

13.8.12

E de repente...


...dou com uma notícia na "Maria" que diz que este menino (Jonathan Groff) é o suposto namorado do Zachary Quinto. E eu nem sabia que este menino era gay! 

9.8.12

Divagações sobre o post anterior

Não foi ontem ao jantar, foi hoje à tarde... Pedi-lhe para ir a Lisboa a uma festa de anos, de um amigo especial. Ele não perguntou mais nada e disse que logo se via, que ainda era muito cedo para pensar nisso (é dia 24).
Bem, sinceramente, nem sei.

8.8.12

Twitter Moment XXI

Hoje ao jantar vou pedir ao meu pai se posso ir a Lisboa à festa de anos do meu namorado... Wish me luck!

7.8.12

Twitter Moment XX

Não sei porquê, mas sempre que a minha mãe se refere ao facto de eu ser gay, diz que é opção.
"Então e eles já sabem da tua opção?"
Ainda não lhe disse nada, mas tenho de lhe fazer ver isso... Pensava que já tínhamos ultrapassado esta fase!

6.8.12

Sonsinha, sonsinha...

...mas nunca me conseguiu enganar! Fiquei surpreendido quando li, no Correio da Manhã, que ela tinha traído o Pattinson, mas no fundo já se estava à espera, porque as sonsas são as piores. Só me apetece chamá-la de vaca: primeiro porque entre um Lautner e um Pattinson, ela escolhe o segundo; depois porque traiu o Pattinson com um gajo mais velho e mais giro. Quer dizer... Bitch!


P.S.: Este post pretende propositadamente falar mal dessa grande sonsa que dá pelo nome de Kristen Stuart. Se não se sentem confortáveis, passem à frente.
Sempre que vou de férias para a casa da minha tia J., entro no mundo das novelas e fico a perceber histórias (mesmo pegando na novela a meio), conhecer personagens e a interessar-me. Desta vez não foi excepção e comecei a interessar-me por uma novela da SIC: Insensato Coração.
Foi lá que descobri este pedação de perdição, Jonatas Faro (que faz de Rafa).



5.8.12

Lá por Lisboa...

Regressei a casa, depois de umas férias bem merecidas e fantásticas! Foram as melhores férias em Lisboa: fui conhecer o Adolescente Gay e passear com ele pela cidade, confesso que nunca tinha estado no Príncipe Real, no Bairro Alto ou no Chiado... Triste, eu sei!
Tive dias de praia excelente, trabalhei bastante para o bronze e para engordar, a quantidade de chocolate que comi foi enorme e os gelados e as sobremesas (bolo brigadeiro, sempre!) deram cabo de mim para o ano inteiro (váá, que nem estou assim tão mal!) e ainda conheci um leitor do blog muito especial...
E é aqui que entra a parte mais especial das minhas férias em Lisboa e que espero que se prolongue por muito tempo. Eu e o menino leitor do blog, começámos a trocar emails à algum tempo atrás e fomo-nos conhecendo, até que eu fui para Lisboa (de onde ele é). Trocámos números de telemóvel, fomos falando e combinámos uma ida ao cinema (Magic Mike, o melhor para um primeiro encontro, ou então não xD). 
Ele é um rapazinho magrinho como eu, com os dois primeiros nomes iguais aos meus, muito fofo e muito inocente, demo-nos muito bem! A despedida foi muito constrangedora, porque não sabíamos o que fazer... Havia ali mais qualquer coisa, mas somos ambos tímidos. 
Continuámos a falar e combinámos um segundo encontro, num jardim sossegado e aí veio o primeiro beijo, o segundo, o terceiro, o quarto... Veio o primeiro passeio de mãos dadas (sou tão tímido que o rapaz me apanhou a mão, olhei para ele, sorri, baixei a cabeça e acho que corei), que foi tão estranho (nunca o tinha feito e era esquisito estar ali descontraído com ele) quanto fantástico. Acho que namorávamos. 
Ontem (Sexta-feira) fomos ao cinema e fomos dar mais um passeio e entre beijos perguntei-lhe se queria namorar comigo, ao que ele me responde com outra pergunta "Não éramos já namorados?", "ai que ele é tão lindo", pensei eu.
Eu sei que pode parecer tudo muito repentino, mas não é! 
Ele é uma pessoa fantástica, derreto-me todo com ele, somos tão melosos que tenho vontade de ler Nicholas Sparks e de ver as adaptações cinematográficas das obras do senhor (vou-me controlar nesta parte que é melhor fazer do que ver... e isto soou tão mal!), eu não era assim! xD 
Confesso que não tinha saudades de casa, não senti falta do Facebook ou da internet em geral (excepto para algumas pesquisas) e muito menos dos papás; estava tão bem com a minha tia (que tem uma bondade de avó) que por lá ficava sempre.

4.8.12

Efemérides

Dia 25 de Julho de 2009: o dia em que contei à minha melhor amiga que era gay. 
Dia 4 de Agosto de 2009: o dia em que contei aos meus pais que era gay.

Não, não tinha saudades...

É como diz o título: não tinha saudades de casa.