28.12.12

Twitter Moment XXV

Ás vezes gostava que ele me falasse, que olhasse para mim, que me desse um sinal, que me visse como via antes...

27.12.12

As Estações do Amor

Este foi o melhor Verão da minha vida, conheci-o e amei-o (e ainda amo), mas o Verão tem um fim. Ainda que cíclico, cada Verão é diferente do seu antecessor e do seu predecessor, não é eterno.
Deixei-me levar, mas a distância serviu para me trazer de volta; foi ele, não eu...
Tal como disse, foi o melhor Verão da minha vida, mas acabou, agora sucede-se-lhe o Outono (que já tinha começado há algum tempo, mas que eu não me tinha apercebido) - o tempo da decadência, do ser moribundo -, depois o Inverno - o tempo da escuridão, da morte - e, finalmente, a Primavera - o tempo do Renascimento!

22.12.12

O jantar afinal foi na Segunda-feira. Continuei a não querer ir, mas desta vez dei as minhas razões... Já não venho ao pc desde Terça-feira e não me tem feito falta nenhuma! Desde que não tenha jogos para jogar, não tenho vontade de o ligar...
Tenho aproveitado para por as séries em dia e já acabei a 3ª temporada de White Collar, a 2ª de Homeland e ando a ver outras. Ler, ler muito!
Já acabei A Insustentável Leveza do Ser (quando me apetecer, se me apetecer, porque eu agora ando assim, escrevo qualquer coisa sobre isso) e comecei o Livro de José Luís Peixoto.
Hoje saí de casa, fui vender umas coisinhas numa barraquinha, para a viagem de finalistas e depois fui comprar uns cadernos; de volta a casa, vou vestir o pijama.

Parece que o mundo não acabou... Hoje à noite vou ver o filme 2012 e rir-me um bocadinho.
Se já cá não voltar,

Bom Natal, que a vossa mesa esteja cheia de comida regada com montes de açúcar (afinal, é isso que importa)!

16.12.12

Eu ando assim...

[Pink - Just Give Me A Reason]

Hoje tinha um jantar de Natal, com o meu grupo de amigos (aliás, devem lá estar agora), mas não me apeteceu ir... Eu menti-lhes e disse que vinha cá a minha madrinha (o que foi parvo) e sei que alguns deles vão ler isto aqui, por isso é que me venho explicar (isso e porque preciso de desabafar).
O meu namorado foi para Madrid na quarta, chegou ontem. Nesses dias, não falámos.
Sinto uma coisa estranha entre nós e não sei como fazer isso desaparecer... Ultimamente tenho andado a pensar relativamente muito e sinto-o distante e também acho que estou distante, mas não sei como fazer para mudar isso. Toda esta situação está a fazer com que não me apeteça ir a Lisboa ter com ele. É feio, eu sei, mas sei lá, tenho andado assim... Embora eu queira estar com ele e quando estou com ele me sinta a pessoa mais feliz no mundo, tenho-me andado a questionar onde é que nos vamos parar: não me têm surgido cenários nada bons.
Ainda não lhe falei disto e ele provavelmente vai lê-lo aqui(devo ser estúpido, eu!), mas é algo que gostava de falar com ele.
(Gee, mas eu tenho tantas saudades de o beijar!)
Depois, e a memória é tão cruel e uma filha da puta (perdoem a linguagem), ando-me só a lembrar dos momentos bons que tive com o meu ex... E de como agora nem nos falamos e viramos a cara para o lado quando passamos um ao lado do outro. Isto faz-me perguntar quão diferentes seriam as coisas se... No meio disto tudo, decidi não ir ao jantar, porque ele provavelmente vai lá estar. Não querendo ficar incomodado, nem causar maus ambientes (e porque, sinceramente, não me apetece de todo, depois de passar um Domingo em pijama, arranjar-me para ir sair à noite... eu sei, sou anti-social), decidi ficar por causa e não ir gastar dinheiro. Preciso de poupar para a viagem a Londres e para ver se consigo comprar uma máquina fotográfica nova, baratinha e decente.
E eu tenho andado assim, a pensar demasiado nas coisas. Às vezes gostava de ter a vida perfeita que o meu ex disse que eu tinha... E fiquei a pensar numa coisa que ele me disse, na noite em que cá veio dormir: "e depois, como vai ser? Acabas o 12º ano e vais para Lisboa, não interessa para que curso, interessa é Lisboa?", foi algo assim.
Eu sei que o texto está um bocadinho fora de ordem, mas que se lixe, pelo menos já deitei cá para fora algumas coisas...
E o Natal é daqui a uma semana, a minha casa foi decorada só ontem, mas o meu espírito natalício ainda não chegou, nem deve chegar, ou talvez chegue, quando estiver a enfardar sonhos e fatias douradas... Viva o açúcar, que o mundo acaba na Sexta feira.

14.12.12

Pequena divagação sobre o tempo atmosférico de hoje

O meu dia começou com o gritar agudo do vento e da chuva a bater na minha janela, gritavam para eu ficar em casa. Entretanto, começou o gritar do despertador para sair da cama e o gritar da minha cama para não ir a lado nenhum. No meio de tanta gritaria obriguei-me a sair da cama: grande erro!
Fui para a escola, o vento continuava na sua gritaria e a empurrar a chuva em todas as direcções, não conseguia manter o chapéu-de-chuva quieto, nem fazer com que ele me protegesse.
O dia estava péssimo: o vento fustigava as árvores, raptava-lhes as filhas e atirava-as aos lobos para morrerem, as pessoas empunhavam, como eu tinha feito, chapéus-de-chuva contra o vento, como se fossem espadas, e estas, guerreiros, mas perdiam sempre, pois o vento era mais forte e não tardava em destruir as frágeis varetas dos chapéus-de-chuva; a chuva caía incessantemente, embora miudinha, e formava pequenos rios que aspiravam a ser tão grandes como o Tejo ou o Douro – tudo é pequeno antes de ser grande.

10.12.12

Feeling Good Song #5

[Mika - Blue Eyes]
Este menino precisa mesmo de deixar de ser preguiçoso e começar a ler as 800 actualizações que tem ali para ler... Mas este menino decidiu trocar-vos pela novela e por Homeland, por isso, desculpai qualquer coisinha!

P.S.: Agora a sério, eu tenho de me mentalizar e, numa tarde, ler e comentar isso tudo, não se preocupem!

9.12.12

-Onde está essa vontade de seres o melhor? De seres sempre o primeiro? 

[Tentei responder... Não consegui.]

8.12.12

Diário de Inverno - Paul Auster

Já acabei de ler Diário de Inverno há algumas semanas, mas ainda não me tinha apetecido escrever sobre ele e o tempo nunca abunda.
Quero começar por dizer que este livro de Paul Auster não é para toda a gente, na medida em que, nem toda a gente gosta de ler as memórias de um escritor ou, muito menos, de ler sobre a sua iniciação sexual com uma prostituta, sobre quantas vezes se masturbava…
Este Diário é, talvez, uma conversa de si para si em frente ao espelho, é mais uma reflexão sobre a sua vida como se não fosse dele, como se o escritor não fosse ele próprio e estivesse a contar a história da vida de outra pessoa. Existe um distanciamento entre o escritor e a vida que é contada, provocado pela utilização da segunda pessoa do singular, tu. Ao mesmo tempo, faz com que o leitor se sinta mais próximo da história de outra pessoa.
Não existem capítulos, a unidade métrica é o parágrafo. Este funciona como uma separação entre os pequenos episódios contados, como se fossem, realmente, as entradas de um diário, desde o nascimento, até ao tempo presente. Pelo meio, Paul Auster, reflecte sobre a vida, a morte, de onde veio, para onde vai… Em certos momentos, já não é dele que fala, mas de toda a gente.

Eis algumas passagens, para abrir o apetite:

5.12.12

[Sem Título]


Naquele momento é que eu percebi que nada é eterno, tudo tem um fim, mesmo quando se pensa que as coisas se podem prolongar infinitamente. A vida é uma ilusão, a Morte é uma certeza; a vida prende-nos, a Morte liberta-nos; a vida é complicada, a Morte é simples: para morrer basta estar vivo.
Foi melhor assim. Apesar de já não viver há muito tempo, tendo-se a sua situação agravado cada vez mais nas últimas duas semanas, a minha avó morreu ontem (escrevo isto na Terça-feira).
A Terra continuou a girar sobre si própria e em torno do Sol, as Leis da Física não foram desrespeitadas…, tudo contínua igual, no entanto, ela morreu!
Não consigo explicar o que senti, enquanto ouvia as dezenas de ave-marias que eram desfiadas numa cadência hipnotizante de vozes sem emoção e olhava para o local onde repousava o corpo onde ela outrora vivia. Não sei o que esperava… Talvez esperasse que ela se levantasse, ou que o alvo pano que lhe cobria a cara (e que eu não tive coragem de desviar para lhe ver o rosto…) começasse a ondular, sinal de que respirava, Mas não, nada disso aconteceu.
Por isso, fui forçado a concluir que a Morte era uma certeza inegável à qual ninguém podia escapar, não era algo como a suposta existência de Deus, o Salvador, que nos acolherá na Luz, não, a Morte existe, chega até a ser palpável. Comecei, também, a imaginar quem, da minha família, seria o próximo a estar ali deitado; agora que a Morte se tinha apresentado pessoalmente, ninguém estava a salvo!
Ainda me lembro de ter cerca de quatro anos e de não perceber porque tanto chorava aquela senhora pequenina e vestida de preto, perguntei à minha mãe e ela disse que um senhor se tinha ido embora. Mas embora para onde? Porque não voltava ele?
Agora percebo, muito melhor do que naquela altura.
Foi o primeiro funeral a que fui e o último até agora…
Não fui ao da minha avó. Não, porque não quisesse, mas porque a minha achou que não valia a pena perder um dia de aulas para lá ir e, além disso, ela já não vivia há muito tempo!

21.11.12

A gula é pecado. II

Hoje não houve bolo cheio de creme, há Nutella. Amanhã o pequeno almoço é na pastelaria.

Heartbeat

Acho que nunca tinha falado aqui sobre a tendência para problemas de coração na família da minha mãe, por isso falo agora. A minha avó (mãe da minha mãe) já tinha problemas de coração, um sobrinho dela já fez um transplante de coração há alguns anos e a minha mãe também já fez um, há quase 4 anos e o meu tio, irmão da minha mãe, acho que está na lista de espera para transplante, ou a tentar entrar para lá.
Com todos estes antecedentes, hoje fui fazer um (mas não o primeiro) ecocardiograma, para ser analisado pela médica da minha mãe, em Lisboa. O doutor, que era simpático, no fim do exame, disse que estava tudo bem, que não havia problemas, mas para ir estando atento... Porque pode estar tudo bem agora, mas não quer dizer que eu não venha também a ter problemas de coração, afinal os sintomas, tanto da minha mãe como do meu tio, surgiram por volta dos 30 anos.
Mas também posso não ter!...

Quer-me parecer que falei algo sobre um teste genético que poderia ter que fazer, mas que não expliquei... Pois era para isto.

A gula é pecado!

Desde que estava na aula de Educação Física, que se me vieram umas vontades de me lambuzar com um bolo cheio de creme.
Não sei porque é que foi nessa aula, mas sei que deve ser da carência para eu andar com estes desejos...
O problema é que não tive tempo de ir comprar bolo nenhum! =(

Dá vontade de começar numa ponta e acabar na outra!


18.11.12

Fui visitá-La outra vez...

Que Deus Nosso Senhor se lembre Dela, disse a minha tia, Olhe mãe, está aqui o Seu filho mais novo, a Sua nora, a Sua filha, o Seu genro e o Seu neto mais novo...
E a Sua respiração alterou-se, da respiração calma, passou para um arfar que não significava nada mais do que eu quero falar, mas não consigo!
A este ponto, já não sei se está lúcida, se vive, mas está presa, ou se só existe e já se foi há muito tempo, qualquer caso é triste e ninguém merece.
Já não sei se Ela sai daqui, disse a minha tia, Coitada, está mais para lá do que para cá! A morte é sempre uma libertação...
No entanto, nenhum mostra sofrimento, talvez já se tenham despedido Dela há muito tempo, talvez só reste aquela carapaça velha e a Sua essência já se tenha evaporado...
Hoje estava exactamente no mesmo sítio que estava ontem...

Se ir visitá-la ao lar, quando ainda se mexia, já era penoso o suficiente, então ir ali é ainda mais penoso! A minha tia pediu-me para tirar umas fotos à minha avó, tirei, mas revoltou-me cá dentro, não sei explicar... 

17.11.12

A vida é uma coisa feia.


A vida é uma coisa feia.
Ela jazia na cama, estendida, tal como tinha sido lá posta, não se havia mexido um centímetro que fosse; no nariz tinha uma sonda, que se destinava a tirar-lhe a expectoração. O seu estado era deplorável!
Haviam já decorrido cinco anos em que ela só existia, de vez em quando, mas muito de vez em quando, vivia um pouco, mas no resto do tempo limitava-se a existir. Existia, porque o coração ainda batia, ainda bate, a questão é por quanto tempo mais continuará ele a bater, por quanto tempo mais continuará ela a existir?
No princípio do mês, mal nos reconheceu, só rezava, recitava baixinho as suas orações, sempre, repetidamente, sem parar, quase como uma obsessão, como se fosse aquela a única coisa que soubesse fazer, a única coisa que estivesse destinada a fazer! Hoje já não falou, hoje já nem rezou… Limitava-se a estar ali estendida na cama, a existir ali.
Eu sei que queria falar, mas não conseguia.
A vida é uma coisa feia, por muitos bons momentos que vivamos, nada conseguirá apagar a única certeza da vida: ela tem um fim. E a morte com a sua imprevisibilidade consegue tirar toda a beleza da vida. Talvez não seja tanto assim, mas eu sou assim, eu vivo assim, à espera do fim!
Provavelmente, a imprevisibilidade da morte serve para nos lembrar que todos os momentos são sagrados, mas nem por isso nós somos melhores pessoas e, creio que, nem disso nos lembramos.
Eu lembro. Lembro de tal forma que fico angustiado por saber que nunca irei realizar todos os meus sonhos, todos os meus projectos… Há sempre tanto por fazer e sempre tão pouco tempo!
Mas eu falava de uma senhora que já não vivia, que já não vive há cerca cinco anos, que só tem estado a existir… É a minha avó e hoje fui visitá-la, ao olhá-la não parava de pensar se seria este o tempo em que ela se elevaria aos Céus.

(Uma coisa eu sei, nunca quererei existir, matem-me, não me deixem existir! O meu maior medo é ser prisioneiro de mim mesmo, prisioneiro do meu corpo e do meu cérebro, matem-me, não me deixem existir nunca!)

13.11.12

Mãe é mãe e...

...a minha, quando quer, consegue ser muito observadora, ao ponto de descobrir que eu e o Edu não nos falamos, porque saímos da natação, ele ia à minha frente e eu nem o vi.

12.11.12

Eu (não) estou aqui.


Eu estou aqui. Estou no meu quarto, segunda porta à direita quando se vem da rua e se entra na minha casa.
A minha casa está numa rua larga, com boa vizinhança, numa aldeia nos arredores de uma cidade do interior.
Esta cidade do interior fica em Portugal, o meu país, que está situado na cauda da Europa (ou na cabeça, como preferirem), que é o meu continente. Este continente é um dos 4 (ou 5, ou 6, ou 7, como preferirem) que existe no Planeta Terra, que é o meu planeta e o único que se sabe ter vida inteligente.
Mas eu... Eu não estou aqui. Não estou no meu quarto, segunda porta à direita quando se vem da rua e se entra na minha casa, nem na rua larga, com boa vizinhança, na aldeia nos arredores de uma cidade do interior, que fica em Portugal, o meu país, na Europa, no Planeta Terra, o único que se sabe ter vida inteligente.
Não, eu não estou aqui!
Eu ando por aí, meio acordado, meio a dormir, meio a sonhar, meio a chorar, deslocado do mundo e de mim, já não me reconheço.
Não sei o que sou, nem se sou, talvez viva, talvez exista, certezas não nasceram comigo e duvido que algum dia as terei.
Sei, sim, que não estou aqui.

11.11.12

:(

Ultimamente tenho recebido comentários de alguns seguidores, dizendo que posts como o penúltimo, são aqueles que mais gostam de ler, posts que falem sobre mim e a minha vida. Soube-me bem escrever aquele post! Não escrevo mais, por falta de tempo e ás vezes por falta de vontade, mas também por falta de tema.
Hoje eu tenho um tema, mas não sei se devia falar dele... Posso-me arrepender do que vou escrever e magoar ainda mais a pessoa em questão... Mas preciso de reflectir, por isso, aqui vai.
Eu e o Edu, continuámos amigos, depois de termos acabado. Afastei-me um pouco dele, depois do que aconteceu no Verão, até à alguns dias atrás, em que começámos a falar novamente... Tentámos resolver as coisas e, aparentemente, tudo ficou resolvido... até à quinta-feira passada. 
Uma conversa que começara normalmente, tornou-se numa discussão sobre o passado. Eu sei que o magoei imenso, mas, se é para tentarmos ser amigos, não podemos estar sempre a lembrar o passado e a recriminar as pessoas... 
Não dava para continuar. 
Admito que não tive problemas em dizer que não podíamos continuar a ser amigos, quando todas as discussões iam dar ao facto de eu o ter magoado muito e o ter desprezado. Mas, quando estava a contar que eu e o Edu tínhamos decidido não mais ser amigos e deixar de nos falar, é que percebi a enormidade da situação. 
Ele não foi só o meu primeiro namorado, ele foi aquela pessoa a quem eu contava tudo e que me conhecia melhor que eu a mim mesmo... 
Fico triste, quando penso em todas as coisas que vivemos juntos, todas as coisas que partilhámos e que agora não vão existir mais. Mas a vida é assim: sempre para a frente.

9.11.12

Muito rapidamente:


  1. Tive 17.4 a Matemática! A primeira nota acima de 15 valores a Matemática, no secundário (triste, eu sei);
  2. Este fim de semana vai ser dedicado à Psicologia...;
  3. Estou a pensar se faço uma página para por a lista dos 112 livros (continuará a crescer) que quero ler antes de morrer;
  4. Estou a fazer um trabalho super interessante sobre a Ética na Manipulação da Fertilidade, que culminará num debate com a turma. Espero que seja enriquecedor [e o Google Chrome não aceita esta palavra] tanto para eles, como para nós. Ah, e que façamos boa figura e tenhamos uma boa nota!
Era só isto. =)

4.11.12

Podia publicar isto em várias partes, mas eu gosto de ser chato.

Eu sei que os posts ultimamente se têm resumido a músicas e a "opiniões" sobre filmes, mas a minha vida não anda lá muito interessante ultimamente e não acontece nada de especial... Vá, até vão acontecendo umas coisinhas, eu é que tenho preguiça!
Descobri recentemente que um tio meu traiu ou andava para trair a minha tia, aparentemente toda a família sabia, menos eu. Não sei no que resultou e, sinceramente, não tenho tempo para me importar com isso (eles ainda estão juntos e aquilo já foi há algum tempo, por isso...). O que mais me faz comichão era eu não saber de nada. Eu sei que passo muito tempo no quarto e assim, mas, fogo, uma coisa destas os meus pais poderiam ter conversado à mesa! Como esta situação há muitas outras e sou eu que passo sempre por não estar com atenção às conversas deles...
Prosseguindo, começámos a vender rifas, para angariar fundos para a viagem de finalistas. Qual Loret, qual Marina Dor, qual praia na Páscoa, quais bebedeiras, eu e um grupo de amigos decidimos organizar uma viagem a Londres, que será sempre mais interessante do que os destinos tradicionais em Espanha que nada têm a oferecer a jovens pouco interessados em discotecas e bebedeiras. Estamos a tratar das coisas por uma agência de viagens, para já, o preço está nos 360 euros, com passagem a aérea, taxas, seguro, estadia durante 7 noites e pequeno almoço incluído. Vamos ficar num hostel e, para já, somos 9. Meninos que viagem imenso, está caro? Ainda não decidimos bem o que vamos visitar, excepto o Madame Tussaud's e o Harry Potter Studio Tour (acho que é este o nome), depois estamos a ponderar umas visitas a Oxford + Warwick Castle + não-sei-o-quê... Vamos vender 900 rifas (ou 999, não me lembro) a 1 euro cada, pelo que dá 100 euros a cada um, mais coisa menos coisa, e o sorteio vai coincidir com o da Lotaria de Natal. Para além disso, vamos vender bolos no bar dos professores e fazer porta-chaves e afins para uma convenção de anime (a primeira!) na nossa cidade.
Com tudo isto da viagem de finalistas e do ter de poupar dinheiro, estou a ficar um pouco preocupado com o não poder ir a Lisboa nas férias do Natal, para matar saudades do meu namorado. Faz hoje exactamente um mês que ele veio passar um fim de semana prolongado à minha casa e parece que já se passaram 7 anos! Já falei com o meu pai e ele disse que logo se via... Deve estar à espera de notas, para decidir.
Ainda não recebi nenhum teste dos dois que já fiz, mas tenho razões para acreditar que vão ser boas, ou seja, ali para o 15 ou superior.
Este fim de semana, foi para estudar para Biologia. Aquilo é muito giro, mas é preciso decorar imenso... O que não me deixou tempo para ler quase nada, nem jornais e revistas, nem livros! Comprei a Visão na Quarta e ainda não a acabei, comprei o Expresso ontem e ainda não o comecei; encomendei um livro (em promoção, claro!) do Auster (Viagens no Scriptorium), mas ainda não acabei o Diário de Inverno, dele. Já para não falar que a Empire deste mês chega esta semana e que ainda não acabei a Super Interessante Especial sobre o Antigo Egipto; bem como as séries e filmes e novelas que tenho a acumular na box e que não tenho tempo para ver... Vá lá, que em vésperas de feriados e sextas e sábados, eu e a minha mãe vejamos sempre um filme, mas por cada filme que vejo, gravo dois ou três. Nem me vou por a falar dos trabalhos que tenho que fazer, tudo para o mesmo dia (hipérbole, mas vocês entenderam)...
Isto já vai longo, se queria fazer um post menos chato, o objectivo não foi cumprido.

P.S.: Nem sequer falei que provavelmente vou ter que fazer um teste genético. Afinal sempre tinha muito para contar, que até ficam coisas de fora!

Cinema em Casa #5

  1. Matrix. É um filme excelente! É o meu preferido dos três, mas nos outros dois estão as duas melhores cenas de luta! Neste, só mesmo a luta com o Morpheus. À parte disso, é colocada aqui uma questão filosófica muito importante: quanto deste nosso mundo é real? Ou seja, será que aquilo que vemos, tocamos, sentimos e cheiramos, é mesmo real, ou só existe dentro do nosso cérebro? (*****/*****)
  2. Matrix Reloaded. Aqui está a melhor cena de luta de toda a trilogia, no entanto o melhor filme é sem dúvida o primeiro.  A cena com O Arquitecto é fantástica, ele encarna ali uma espécie de Deus para aquele mundo, tentando contrabalançar o bem com o mal, nos dois lados da equação, para criar equilíbrio. Mas como há um Deus (que nem sempre se pode considerar sumamente bom), também há o seu oposto (tudo para existir um equilíbrio), que seria o Diabo (neste caso, o Oráculo e, também, nem sempre é maléfico). Mas o mundo não vive sempre em equilíbrio... Uma questão interessante levantada neste filme, foi também a questão do controlo: controlaremos nós as máquinas, se as pudermos desligar? (****/*****)
  3. Matrix Revolutions. Neste filme, está o 2º lugar do top 3 de melhor cena de luta, ou seja, a luta final entre o Neo e o Agent Smith. Mas a cena da invasão de Zion é um momento alto do filme. (****/*****)

Uma coisa que me ficou destes filmes, foi o Oráculo. Por exemplo, no primeiro filme, quando o Neo se encontra pela primeira vez com o Oráculo e este lhe diz para ele não se importar com a jarra, Neo vira-se à procura da jarra e acaba por partí-la. Se o Oráculo não lhe tivesse dito nada, será que Neo partia a jarra (aliás, é isto que o Oráculo lhe pergunta no final)? Como esta situação existem muitas outras ao longo dos três filmes, que são uma mina de ouro em questões filosóficas.

Curiosidades: os realizadores deste filme, os irmãos Wachowski (Larry e Andy) são agora Lana e Andy. Larry Wachowski, mudou de sexo em 2010.

31.10.12

Cinema em Casa #4

A Cor Púrpura foi um filme que gravei, apenas pelos actores principais: Danny Glover e Whoopi Goldberg. Apesar de ser um pouco confuso em termos narrativos e de haver momentos em que ficamos um pouco perdidos com as personagens ou o que elas estão ali a fazer, este é um filme com uma mensagem forte e que  é passada para o espectador com mestria.
Fala-se aqui da condição da mulher e, mais precisamente, da mulher afro-americana, no ano de 1909 em diante. E acompanhamos a história de Celie (Whoopi), que tem uma vida sofrida, mas que, no contacto com várias personagens, consegue ganhar o controlo da sua vida, que nunca tinha sido sua.
É bastante longo (mais de duas horas), mas tem um final, o único final que seria de esperar para uma personagem que já tinha sofrido tanto: o reencontro e a felicidade.

Dou-lhe: ***/*****

Cinema em Casa #3

No Domingo passado decidi ver Quatro Casamentos e Um Funeral e fiquei desapontado.
Não que o filme seja mau, porque até nem é mau (mas também não é muito bom), mas a sua história não me convence. Está recheado de clichés, mas no fim, eles acabam juntos (como sempre).
É uma comédia dramática romântica...
Dou-lhe ***/*****

27.10.12

2165468164161 coisas a dividir por 24 horas, não dá!

Eu sei que o blog anda parco em posts decentes, com conteúdo, em vez de apenas música... Mas o tempo tem sido escasso, as 24 horas do dia não chegam para tantas coisas, ainda para mais com testes e trabalhos, tudo ao mesmo tempo.
Sim, porque enquanto os alunos não tinham que estudar para os testes, os professores não deram os temas, estivemos assim durante todo o mês de Outubro, até esta semana. São dois trabalhos, para fazer e apresentar e 10 testes para fazer, até ao final do período...
Haverei de conseguir fazer tudo isso.
Agora vou sair do computador, almoçar e ir para a explicação de Matemática, ver se entendo os Arranjos e as Combinações ou o teste de Segunda vai ser uma miséria!

Bye Bye =)

21.10.12

As vossas sugestões... #2

[CocoRosie - Lemonade]

E agora vou ver mais televisão... 

Resumo do Fim-de-Semana

Hoje o meu dia foi dado à procrastinação: acordei ás 9.30, fui tomar o pequeno-almoço e voltei para a cama, fiquei a ver os episódios em atraso da novela Olhos de Água, a dar no canal TVIFicção, bem como a série Super Pai; depois, à tarde, continuei na cama, mas a ver séries no pc: 3 episódios de Shameless, 1 de Bones e outro de Fringe.
Ontem, estive 2 horas a correr lojas à procura de uns ténis giros e que não deixassem entrar água... Eu sei que sou esquisito, mas o que via era muito feio e, após algum tempo (depois da 3ª loja), comecei a ficar frustrado! Não fosse eu precisar dos raio dos ténis e tinha desistido, mas lá consegui encontrar uns giritos...
Pelo meio ainda comprei um casaco super giro, mas que custou os olhos da cara! Muito necessário, também.

Adivinha-se uma semana super fashion e super produtiva!

17.10.12

Quick Update

Peço desculpa por não escrever nada há já alguns dias, ando entretido com "Os Lusíadas"...
De qualquer maneira, queria agradecer os comentários que me têm deixado no post anterior, sobre novas músicas! Ainda não tive tempo de ver nada das vossas sugestões, mas no fim de semana vou tratar disso e por aqui algumas músicas que tenha gostado.
Se não for pedir muito, alguém me recomenda um cantor de jazz (ou um álbum) que valha mesmo a pena ouvir?
Gracias =)
Vou-me agarrar ao Canto II.

14.10.12

Musicalmente falando...

Por um lado, estou um bocado cansado do pop mais comercial que tenho no mp3; por outro, quero descobrir novas bandas, novos géneros músicas, alargar horizontes! Mas não consigo apagar o pop do meu mp3...
Anyway, o que eu quero com isto tudo é que vocês, meu queridos, simpáticos e cultos leitores, me dêem a conhecer novas bandas e novos géneros, porque a oferta é muita e eu não sei para onde me virar.

E era isto, até amanhã! =)

Cinema em Casa #2

If Lucy Fell (1996), com o brilhante título em português Se Não Te Casas, Mato-me, tem muito para não dar certo e, de facto, não dá.
Juro que só vi este filme por ter como protagonista a deslumbrante Sarah Jessica Parker, mas nem ela chegou para gostar do filme!
O núcleo do filme gira em torno de um Pacto de Morte que estes dois colegas de quarto fizeram nos tempos de faculdade em que, se chegassem aos 30 sem ninguém com quem quisessem mesmo constituir uma família, então atirar-se-iam da Ponte de Brooklyn.
O filme começa um mês antes do dia de aniversário de Lucy (Sarah) que vai fazer 30, portanto, ela e o seu companheiro de casa, vão ter que encontrar alguém com quem queiram passar o resto da vida, nesse curto espaço de tempo.
O companheiro, Joe, anda embeiçado pela rapariga da frente, de quem pinta quadros e tem sonhos, há já 5 anos, mas nunca lhe dirigiu a palavra e Lucy anda à 2 anos e meio com Dick, de quem não sabe se gosta. Ela acaba com Dick e decide conhecer gente; ele decide ganhar coragem para falar com Lucy. Ela conhece um pintor chanfrado (Ben Stiller) e começa a namorar com ele; ele finalmente fala com Lucy e começam a namorar.
O problema é que as questões abordadas não são bem exploradas, como a relação de Lucy com o pai e o facto de ele já lhe ter destinado o que fazer no futuro.
Mas tudo vai bem até que ele percebe que a mulher dos seus sonhos não é a mulher do seu coração e acaba com a rapariga da frente; ela também percebe que Joe é quem ela ama e correm para os braços um do outro.
Temos um primeiro ato, onde andam ambos perdidos e decidem que o pacto é para avançar; depois, num segundo ato, ambos estão bem, com os respectivos namorados, mas já se percebe que vão acabar juntos; no último ato, dá-se a descoberta de que gostam um do outro e acabam juntos.

Não vale o tempo gasto! Se estiverem com vontade de ver comédias românticas, fofinhas e agarrados ao namorado ou namorada, existem outras bem melhores e que não são tão, como dizer?, estúpidas quanto esta (Ouviste Falar dos Morgan, também protagonizado por Sarah Jessica Parker, parece-me uma alternativa muito melhor).
Felizmente, Sarah Jessica Parker, brilhou pouco depois na série Sexo e a Cidade (1998-2004)...
Dou-lhe */*****.

13.10.12

Cinema em Casa #1

Sister Act 2: Back in The Habit (1993) é a continuação do fabuloso filme Sister Act (Do Cabaret para o Convento) de 1992, protagonizado por Whoopi Goldberg.
O primeiro filme era fantástico, uma cantora de um casino vê-se obrigada a esconder por correr perigo de vida. Onde é que a Polícia a manda esconder? Num convento, cheio de freiras que fizeram votos de pobreza e são extremamente religiosas, ou seja, um filme com todos os ingredientes para ser um bom filme de comédia, o que de facto se confirma!
Já esta sequela deixa um pouco a desejar... O elenco do primeiro filme mantém-se, mas muda-se para uma escola católica onde as Irmãs dão aulas, o problema é que não conseguem controlar e motivar os alunos, pelo que vão pedir ajuda à antiga Irmã Clerence (Whoopi) que, sem mais nem menos, lhes decide fazer o favor, deixando a carreira em ascensão, de lado.
[Alerta de Cliché] A partir daqui, o filme corre, centrando-se mais na turma de música (que afinal sabe cantar e muito bem) que é mal comportada ao início, mas que, no final, irão agradecer tudo o que a Irmã Clerence fez pelas suas vidas.
O colégio encontra-se na iminência de fechar mas um concurso de coros onde a turma é inscrita pode fazer com que isso não aconteça (escusado será dizer que eles ganham o concurso)...

Apesar de não ser tão bom como o primeiro, tem momentos cómicos bons e momentos musicais fantásticos, definitivamente adoro Gospel!
Dou-lhe ***/*****.

Sabedoria camoniana

‎[...]
Veja agora o juízo curioso
Quanto no rico, assim como no pobre, 
Pode o vil interesse e sede imiga
Do dinheiro, que a tudo nos obriga.

A Polídoro mata o Rei Treício,
Só por ficar senhor do grão tesouro;
Entra, pelo fortíssimo edifício,
Com a filha de Acriso a chuva de ouro;
Pode tanto em Tarpeia avaro vício
Que, a troco do metal luzente e louro,
Entrega aos inimigos a alta torre,
Do qual quase afogada em pago morre.

Este rende munidas fortalezas;
Faz trédoros e falsos os amigos;
Este a mais nobres faz fazer vilezas,
E entrega Capitães aos inimigos;
Este corrompe virginais purezas,
Sem temer de honra ou fama alguns perigos;
Este deprava às vezes as ciências,
Os juízos cegando e as consciências.

Este interpreta mais que sutilmente
Os textos; este faz e desfaz leis;
Este causa os perjúrios entre a gente
E mil vezes os tiranos torna os Reis.
Até os que só a Deus omnipotente
Se dedicam, mil vezes ouvireis
Que corrompe este encantador, e ilude;
Mas não sem cor, contudo, de virtude.


Luís Vaz de Camões em Os Lusíadas

9.10.12

Sobre os urinóis

Os urinóis são uma das coisas mais estúpidas que já se inventaram até hoje...
Primeiro, porque quando se vai ao urinol e ao lado está alguém: ou se olha para o nosso material ou se olha para a parede (ou se vai alternando, só para controlar a situação lá em baixo); depois, porque, se ao nosso lado está alguém conhecido, não vamos puxar conversa como se fosse uma mesa de café, só que em vez de segurarmos bebidas seguramos..., bem, outra coisa..., o que faz com que fique um ambiente estranho; por último, se ao nosso lado estiver um professor, a situação fica ainda mais estranha, porque é uma figura que merece respeito e com quem só se tem confiança até um certo nível.
Esta última situação aconteceu-me hoje... O professor já lá estava, eu cheguei e comecei a fazer o servicinho e ele perguntou como estava a correr o ano (eu já não tenho a disciplina dele) e eu disse que estava a ir bem e falámos dos horários e eu aproveitei para lhe perguntar sobre umas aulas de apoio para os Exames, da disciplina que ele lecciona e que eu pretendo fazer. É que com os horários zero, tem de se deixar os professores entretidos...
Mas bem, ele ia-me respondendo, sempre a fazer o servicinho e eu, que já tinha acabado, estava a olhar para ele, pois claro! Escusado será dizer que lhe vi o material... E já não é a primeira pessoa com quem isso me acontece.
É que, para além de tudo aquilo que eu já disse, ainda temos a infelicidade de ver os materiais dos outros e eu, sinceramente, dispenso (pelo menos naquela situação e dependendo das pessoas).

Feeling Good Songs #3

[Pablo Alboran - Solamente Tú]

8.10.12

(Des)Acordo Ortográfico

Estamos para o Acordo Ortográfico, uma aberração sem sentido que não merece sequer que se lhe discuta qualquer mérito, como se esteve para o disparo do défice da despesa pública: deixa-se andar e depois vê-se no que dá. Já sabemos o que deu o défice e a dívida. A única força que sustenta o Acordo é a mesma que condenou o País a esta crise profunda: inércia.
Está na altura de lhe bater o pé com força, e a causa contra o Acordo até na rua terá sucesso. Bem que o Acordo podia ir junto com a TSU fazer companhia à meia hora de trabalho suplementar.
José Pacheco Pereira in SÁBADO (27 de Setembro)

7.10.12

Antes e depois (de ele ter partido)


A cidade rejubilava de alegria, sob o generoso sol de Outubro, assim que íamos avançando cidade dentro. A manhã estava fresca, agradável, ele estava comigo e fomos dar um passeio: conhecer a cidade por dentro, a pé.
A alegria das festividades contagiou o nosso espírito e também nós rejubilávamos de alegria, não sei se apenas pelo ambiente ou se, simplesmente, porque estávamos os dois finalmente juntos, a cerca de cinco centímetros de distância um do outro…
Certo era que tínhamos o tempo contado: às dez horas e doze minutos da manhã, ele tinha um autocarro para apanhar que o levaria de volta à sua casa. Desde que o vira pela primeira vez, quando chegou, eu sabia que ele teria, eventualmente, que regressar, mas, como que, reprimi essa informação e entrei num estado de embriaguez culminando no contágio pela alegria das festividades da cidade.
Desta feita, às dez horas em ponto lá estávamos os dois na Rodoviária; a cidade continuava mergulhada na sua alegria, mas eu começava a “recuperar” do contágio…
Esperámos.
Felizmente o autocarro não chegou á hora marcada, mas sim dez minutos depois e só partiu passados mais cinco minutos, o que nos deu mais alguns momentos para nos olharmos ao espelho da alma e fazer sentir, sem palavras, tudo aquilo que éramos um para o outro.
Mas, como nada dura para sempre - nem o que é bom, nem o que é mau -, como tudo tem, impreterivelmente, que ter um final, para o equilíbrio cósmico ser mantido, o autocarro dele chegou!...
Despedimo-nos com um abraço. Ele entrou para o veículo e sentou-se. Fiquei a observá-lo, sem sair do sítio, queria-lhe dizer tudo, mas acabei por lhe dizer nada e o autocarro começou a sua marcha: primeiro lentamente, até que, depois da sua curva, acelerou e o perdi de vista.
O gigante de quatro rodas havia partido e tinha-me deixado ali especado, sentindo-me mais pequeno que o mais pequeno dos homens.
Fui embora.
De repente, a cidade tinha perdido o seu encanto, a sua alegria, a sua cor; parecia-me mais cinzenta e sisuda, desprovida de qualquer interesse capaz de me tirar daquele estado de ressaca que experimentava pela primeira vez…
Talvez a cidade nunca tenha estado em festa; talvez tenha sido eu (ou ele) que tenha dado à cidade um novo ar. Talvez a cidade nunca tenha perdido a cor; talvez tenha sido eu que decidi que ali já não havia nada que me prendesse. Talvez a culpa seja inteiramente minha e este relato não seja de todo fidedigno, porque a minha forma de olhar o mundo se alterou.

Porque não lia os demais blogs à algum tempo...

... tenho que agradecer aos coelhos, por isto.


Porque muitas vezes, os imagino assim, hehehehe!



6.10.12

He's leaving!

Ele está aqui a arrumar as coisas... Vai-se embora amanhã e eu já sinto imensas saudades!
Em cada abraço e em cada beijo, tento decorar tudo o que posso, mas o medo de me esquecer de alguma coisa é tanto que acabo por não decorar nada e fico triste, porque daqui a algum tempo já não me conseguirei lembrar dos lábios dele, nem dos abraços dele...

5.10.12

Apontamentos rápidos sobre o fim de semana

Foi, sem dúvida, a aula de natação mais longa de sempre! Ás 19.45, em ponto, disse ao professor que tinha que ir embora, fui tomar banho e vesti-me rapidamente para o ir buscar.
Ele fez boa viagem, chegou bem, está inteiro e já matámos muitas saudades.
Daqui a pouco vamos ao cinema e depois logo se vê... Mas só de pensar que Domingo ele tem que ir embora e eu fico aqui...
Enfim, a dedicatória que ele escreveu no livro estava muito fofinha e aqueceu-me o coração. Já sei o que ler quando sentir mais saudades dele.

Agora vou-lhe dar atenção a ele. =)

3.10.12

Ele está a chegar! =) [UPDATED]

O meu menino chega amanhã à tarde/noite, enquanto eu estou na natação. Quando eu acabar a aula, vou buscá-los e depois vimos para casa matar saudades, que já são tantas, afinal já não o vejo há 1 mês, 1 semana e 2 dias!
Sinto-me assim... Como dizer?... Com medo que ele se perca ou que lhe aconteça alguma coisa pelo caminho e que ele não me chegue aqui inteiro ou que nem chegue de todo! Tenho mais medo da viagem dele, do que das minhas viajens para Lisboa ou Albufeira, sozinho!
Mas ele vai cá chegar são e salvo, eu vou trazê-lo para casa e vou deitá-lo na minha cama e vou enroscar a ele (o que acontece entre o deitá-lo na cama e eu enroscar-me a ele, não é da vossa conta).

Depois, talvez, quem sabe, eu posto algumas fotos... Para já, fica o olho dele, que tirei quando estive na casa dele.


P.S.: Nota-se assim tanto que estou himalaias de ansioso?
P.S.II: Ele vai-me oferecer o livro que eu andei a pedinchar por aqui, o "Diário de Inverno", do Auster... Com uma dedicatória! De qualquer maneira, quero agradecer ao João, por me ter "oferecido" o link para download do livro, mas eu hei-de lutar até ao fim para ter livros de papel! Mas foi um gesto fofinho +.+

2.10.12

Feeling Good Songs #2

[Mika - Celebrate]

Twitter Moment XXIII

Odiando a CP com todas as minhas forças, por fazer greve de 1 a 5 de Outubro, estragando-me os planos todos com o meu namorado.
Agora que já estava tudo estabelecido, vamos ter de procurar horários de autocarros... Deus!

30.9.12

It's my birthday

Tenho pena de não perceber, todos os dias, o sortudo que sou e toda a felicidade que tenho na minha vida. Por culpa minha, é óbvio, não concluo todos os dias, que tenho muitos amigos - na verdadeira acepção da palavra - que gostam de mim e me fazem feliz, ás vezes, mesmo sem saberem.
Para além deles, tenho também uma família fantástica, que faz de tudo, para que todos se sintam bem e que é unida!
Se há alguém a quem hoje se deve dar os parabéns, são eles e não eu!

29.9.12

Liebster Award

Os coelhos saíram da toca e ofereceram-me um prémio: o do título. Consiste em responder a 11 perguntas e oferecer o prémio a 11 outros blogs. Ora, vamos começar com as perguntas...

1 – Qual a tua cor favorita?
Cor de laranja, embora não tenha uma única peça de roupa dessa cor, para grande tristeza minha!

2 – Qual a tua viagem de sonho?
Egipto! Cresci com a curiosidade pelos túmulos e pirâmides e faraós, pelo que adorava visitar as grandes Pirâmides de Gizé, a Esfinge, os templos... 
3 – Partilha algo engraçado sobre ti.
Quando estou de fones a ouvir música, seja onde for, não me consigo conter e fazer lip sync. Vou na rua e sinto-me que nem uma pop-star num videoclip!
4 – Qual a música mais especial para ti? Porquê?
Talvez, Viva La Vida dos Coldplay, não tanto pela letra, mas pelo ritmo e pelo título: sou uma pessoa muito apressada e com um medo tremendo de morrer sem ter vivido... Por isso, para mim, a música é uma espécie de contradição, ser muito apressado, mas mesmo assim aproveitar os pequenos momentos, que é isso é que é viver. 

5 – Se tivesses uma Máquina do Tempo, onde gostavas de ir? Porquê?
Ou ao Antigo Egipto, ou à Itália do Renascimento. São duas das minhas épocas preferidas!
6 – Qual a tua maior qualidade?
Sou simpático para a maioria das pessoas.
7 – Qual o teu maior defeito?
Perfeccionismo. Quero as coisas demasiado bem feitinhas, que acabo por não fazer nada!
8 – Se pudesses mudar algo na tua vida, o que mudavas?
Livrava-me da minha teimosia e tornava-me mais pró-activo!
9 – Encontras a lamparina mágica e dela sai um génio que te concede um desejo. O que pedirias?
Mais saúde, principalmente para a minha mãe.
10 – Qual a maior loucura que fizeste até hoje por amor?
Acho que ainda não fiz nenhuma loucura por amor... Pelo menos, creio que tudo esteve na zona do aceitável.
11 – Dá um título para o livro que é a história da tua vida.
"Pressa de viver ou o Medo de Enlouquecer."

Como os meus 11 chosen ones já receberam o prémio (ok, é mentira, eu é que odeio fazer isso!), eu deixo o meu a todos os que quiserem aceitá-lo e responder a estas 11 perguntinhas.


28.9.12

Depois deste ano, nunca mais volto a fazer anos!

Querer fazer algo original e melhor do que o típico jantar em que cada um paga o seu, para celebrar um aniversário, dá trabalho!
Faço anos no Domingo (sim, é para não se esquecerem e me enviarem as prendas... Ok, já sei que agora se meteu o fim-de-semana, mas se enviarem na Segunda, elas chegam na Quarta e eu não fico aborrecido com o atraso!) e a família quase toda vem cá... À custa disso hoje passei 3 horas na cozinha*, a ajudar a minha mãe a untar formas, a bater claras em castelo, a desenformar, a lavar a loiça e a provar a massa de tudo quanto fosse bolo ou sobremesa; mas ainda não está tudo feito!
Na próxima semana é a festa com os meus amigos, altura em que o meu namorado vem cá passar o fim-de-semana e os conhece, e é suposto fazer bom tempo**, para que eu possa ir para o Parque da Cidade fazer uma espécie de piquenique e sermos todos felizes a enfardar e eu a desembrulhar prendas! Por isso adivinha-se mais horas na cozinha...
Mas vai compensar (pelo convívio, óbvio!), até porque para o ano, acabou-se!
Tudo bem que, no meu mundo super-colorido-a-fazer-lembrar-o-do-Mika, este ano vou fazer 15 anos e no próximo vou fazer 14, mas neste mundo, que é partilhado por toda a gente, no próximo ano, vou estar a atingir a maioridade e ter trabalho para celebrar isso, não vale a pena.

*A meio Ao princípio, apeteceu-me ligar a toda a gente e a dizer que afinal eu não fazia anos, que tinha sido engano, vejam lá o preguiçoso que sou!
**Pois, isso é outra! Para além de dar trabalho, é Outono, está mau tempo o que limita muito as opções...

27.9.12

Abnormal Is The New Normal

Comecei ontem a ver esta série, do criador do Glee: Ryan Murphy. Trata de um casal gay que quer começar uma família e ter o seu primeiro filho, para isso recorrem a uma barriga de aluguer: uma mulher que quer mudar a sua vida e ajudar alguém a ser feliz.
É uma série de comédia, com episódios de cerca de 25 minutos.
Já saíram três episódios e, desses três, foi o terceiro que mais me emocionou e me fez chorar, porque falava sobre o ódio das outras pessoas em relação aos homossexuais e isso, inserido no contexto de novos pais que querem proteger o seu filho do ódio, é muito interessante. Ignorar talvez não seja a solução, mas nem a violência o é, com toda a certeza!



É uma série leve, mas profunda, que me deixa a vomitar arco-íris. Para além da vontade com que fico de beijar o meu namorado e dos pensamentos sobre o meu futuro...

25.9.12

Feeling Good Songs #1

[New Radicals - You Get What You Give (covered by Glee Cast)] 

Agora que já chegou o tempo frio, os dias cinzentos e a tristeza que deles vem, vou-vos deixar aqui algumas músicas nos fazem sentir bem!

O drama de se ser aluno...

Professora de Matemática (PdM):
- Meninos, façam o exercício 7 dessa página.

Eu e outro colega:
-Nós fizemo-lo em casa, professora...

PdM [falando rapidamente]:
-Ahh, sim? Eu mando sempre fazer os exercícios aqui na aula... Foi com ajuda [risinho nervoso]? Oh, pois, bem, não interessa.

Conclusão: estudar em casa, é para esquecer.

24.9.12

Já chegou!

A Empire do mês de Outubro chegou-me hoje a casa e deixou-me desejoso de a ler: primeiro, por causa do especial sobre as séries de TV, depois pelas reportagens sobre os heróis da Marvel! 
Não tanto pelo novo 007, que nunca liguei ao senhor, nem ele a mim, pelo que estamos quites.


23.9.12

Porque o que eu realmente quero é o fim-de-semana a seguir ao próximo...

Três razões para partilhar a cama (segundo a Maria):


  1. Miminhos pela manhã. Ter o amado ao nosso alcance da mão, dos pés ou do corpo inteiro é tão bom... 
  2. Aquecimento mútuo. Sobretudo quando um dos elementos é friorento (kinda guilty)... Sabe tão bem ter o outro para aquecer. 
  3. Maior cumplicidade. O eterno entrelaçamento de corpos aprofunda ainda mais a intimidade. 
Só coisas boas, portanto! 
E enquanto aguardo ansiosamente por esse fim-de-semana, vou me agarrar à almofada, que vai ficar dentro da concha o que, segundo, mais uma vez, a Maria, significa que eu estou com vontade de fazer amor, mas estou à espera que ela também esteja. Pois... 

20.9.12

Twitter Moment #XXII

Ontem disseram que eu tinha os braços tão definidos que até se notavam as veias... Fiquei tão orgulhoso!

Sempre que vou a uma livraria e encontro este livro, o abro numa página ao acaso e leio uma ou duas frases, sinto-me quase no paraíso! Não deve ser novidade que adoro este escritor e que um dia destes toda a sua bibliografia estará nas minhas prateleiras, devidamente lida e, quiçá, relida, mas este livrinho em particular é especial... Fala dele, como se fossemos nós, sempre na segunda pessoa, como se tivéssemos partilhado todas essas experiências que ele relata. E eu quero muito ler este livro, apesar dos muitos que eu já tenho em casa e ainda não li...
Vocês, simpáticos leitores, é que me podia oferecer esta relíquia no meu aniversário, dia 30 de Setembro e prometo que é só isto que peço! =D

18.9.12

Do próximo fim de semana a uma semana, é o meu dia de anos... O que significa que do próximo fim de semana a duas semanas o meu namorado vem passar 3 dias à minha casa! 
Se eu estou super contente? Então nao?! =D

17.9.12

Como gastar cerca de 300 euros, numa tarde


  • 130 euros em livros escolares;
  • 90 euros em compras para a casa (leia-se, alimentação) + 1 caderno, 1 pack de minas 0,5 e um livro (Felizmente Há Luar);
  • 50 euros na inscrição + primeira mensalidade da natação.
E num par de horas, foi isto que se gastou! Realmente, gastar dinheiro é muito fácil, o difícil é ganhá-lo!


15.9.12

Hoje é dia de manifestação...

... e o meu pai disse que queria ir, mas são quase 17.30 e ele ainda não acordou da sesta - também, quando se começa a trabalhar ás 6.30 da manhã, como fizemos hoje a cortar lenha, para só acabar à uma da tarde, merece descanso!
Quem for, que grite por ele, que se farta de trabalhar e fartam-se de o roubar!

12.9.12

Ano Lectivo 2012/2013 - O Início

Fico sempre nervoso e muito expectante antes de saber o meu horário. Afinal, será em função daquela disposição que eu irei organizar a minha vida nos meses seguintes... E um mau horário pode influenciar a minha disposição e concentração, a minha vontade e disponibilidade para ter actividades extra-curriculares.
Este ano, o horário nem é mau - como seria de esperar, afinal só tenho 5 disciplinas -: tenho 4 tardes livres e no dia em que tenho aulas à tarde, não tenho de manhã; mas podia ser melhor, sem aulas à tarde.
Sendo assim, vou poder encaixar melhor tudo o que quero e tenho de fazer, como a explicação de Matemática (e, em Janeiro, de Física) e a Natação e escolher estas duas actividades para os mesmos dias. É que eu não moro realmente na cidade, mas numa aldeia perto desta e andar para lá e para cá todos os dias, gasta gasolina, que é muito cara e as finanças não são das melhores, com tantos cortes e sem apoios nenhuns! Assim, se tiver natação e explicação (falo só da de Matemática, para já) nos mesmos dias, só é necessário ir buscar-me à cidade, duas vezes por semana. Isto, claro, contando que não há maneira de apanhar qualquer um dos dois autocarros que vêm para cá, depois das 4 da tarde.
E, a modes que a minha vida a partir de agora vai ser isto... Claro que as tardes livres me vão dar muito tempo para estudar, ler, ver TV e estar um pouquinho no computador (e agora já nem passo cá nem um terço do tempo que costumava passar!), se eu me organizar decentemente e não deixar acumular as coisas, que é o que é hábito acontecer.

Sim, vou prometer que vou ser um aluno melhor este ano e essas coisas todas, como, aliás, já é costume no início de cada ano, mas este ano, sinto que estou diferente e que se eu realmente quiser eu consigo! É por isso que me tenho levantado ás 7 da manhã quase todos os dias da última semana (e desta) para ir andar de bicicleta, nos outros dias acordo as 9 e tal - se fosse noutros tempos acordavam-ME ao meio dia -, porque quero!


11.9.12

8.9.12

That awkward moment...

...em que os pais se despedem do filho e vão sair à noite e o filho, adolescente, não quer ir, nem para estar com os seus amigos.

Os Bichos.


Não gostas, porque sabes o que lá se passa…
Não gostas, porque sabes que vais encontrar a decadência da vida humana; sabes que vais encontrar pessoas que já desceram tão baixo, que talvez já nem se possam chamar de pessoas. Essas pessoas já desceram tão baixo: estão a definhar à frente de todos e o tempo, o pior inimigo da espécie humana à excepção, talvez, dela própria, avança inexoravelmente e leva com ele, pedaço a pedaço, a essência de cada um, até que não reste nada mais do que uma carapaça flácida e cheia de rugas.
O tempo passa, arrasta memórias dos tempos em que o Tempo não importava porque era abundante, preenchido por alegrias e por gentes de quem se gostava; são essas memórias que mais sofrimento causam… É que já não podem voltar!

“Eu queria voltar à minha casa… Mas já não me lembro do caminho! Acho que tinha que se ir por ali, mas não tenho a certeza… E depois se me perco? Eu também já nem consigo andar muito bem…”
A senhora lamentava-se na varanda da frente daquela casa grande e magnífica, enquanto olhava para o jardim florido.
“E pensar que houve tempos em que conseguia fazer as minhas coisas, sozinha, sem a ajuda de ninguém… E pensar que existiam muitas pessoas que gostavam de mim, que gostavam dos meus lanches (e do meu dinheiro) e nos divertíamos muito… E agora, olhem para mim, estou acabada!”
As lágrimas começavam a escorrer-lhe pela cara e ela soluçava, mas continuou.
“Não tenho ninguém que me venha visitar! Largaram-me aqui e já não querem saber de mim… Estou acabada!”

Agora, o tempo é inimigo: está em contagem decrescente…
Não gostas, porque, indirectamente, consegues ver a podridão da espécie mais evoluída do mundo, que abandona os mais velhos à morte, como se não passassem de um qualquer animal irracional, que se manda para abate em fim de vida, para não sofrer mais.
No entanto, não deixo de pensar que talvez esse fim fosse preferível a todo este sofrimento… Morrer antes de definhar.
Morrer antes de se perder a essência da pessoa que se é.
Morrer enquanto ainda é tempo de se ter uma morte – não digo digna, porque de digno a morte não tem nada – de verdade!
É que enquanto as pessoas definham, vão morrendo… A cada dia estão mais mortas e vão morrendo mais e mais, até que no Fim, não sobra mais do que a carapaça tão marcada pelo tempo.
Não sei porque se tem tanto medo da morte… É a única coisa que temos garantida, logo ao sair do útero! A vida e a morte complementam-se, são amantes e se estimamos a vida, devíamos estimar a morte ainda mais, por ser ela que nos ensina o valor da vida e a urgência do Tempo.

Não gostas… Porque és jovem e te vês confrontado com o teu futuro mais longínquo, se é que algum dia lá chegarás.

"Time is nothing but a lie"

[Russian Red - The Memory Is Cruel]

7.9.12

Gosto disto, pronto.

[Madness - Muse]

E agora vou acabar de ler o Expresso do Sábado passado, porque amanhã já é Sábado e sai outra edição. Vida de gente ocupada é assim!

6.9.12

Ajudem-me a ganhar este livro!


Para me ajudarem, quem tem facebook, só tem de ir a este link: http://apps.facebook.com/digitalmktr/Default.aspx?id=571060109 e clicar em participar... Eu ganho créditos por isso e vocês depois também podem ganhar livros.

Vá lááá, façam me esse jeitinho! =)

Menino mau!

Sinto-me extremamente gordo. Não porque esteja gordo, mas por aquilo que ando a comer: numa semana um boião médio de Nutella esvaziou-se e ontem à tarde decidi que o melhor era abrir uma lata de leite condensado e comê-lo à colherada... Comi metade do leite condensado que estava na lata e, pois que, hoje terei de comer o resto (uii, sacrifício!).
É por estas facadas que dou na minha linha, que me tenho obrigado a levantar, desde segunda feira, ás 7 da manhã para ir andar de bicicleta e fazer uns 5 quilómetrozinhos. Ontem também já fui ás compras e comprei muita fruta para ir comendo entre as refeições e iogurtes com menos açúcar e menos gordura (embora eu saiba que isso é tudo tanga); assim sendo vamos lá ver se não caio na tentação de cometer mais loucuras como a do leite condensado!

P.S.: Aii, jesus! Acabei de me lembrar que no Domingo tenho uma festa de anos... 

5.9.12

[Brandon Flowers - The Clock Was Tickin']

(...)And the weeks fly by and the years roll on
Sometimes dreams are all you've got
To keep you going when the day gets long(...)

"Are we really living or just walking dead now?"

[Sincerely, Jane. - Janelle Monáe]

3.9.12

Um apontamento rápido sobre futebol...

Fairplay 
Uma palavra muito bonita mas, aparentemente, sem significado para os melhores jogadores da Europa (Cristiano Ronaldo, Messi e Iniesta).

P.S.: Estive de férias, mas não andei a dormir! O facto de eles não se cumprimentarem de todo revela, primeiro, falta de educação e depois falta de fairplay... É triste pensar que são os modelos de muitos jovens.

Meet Alagaesia


Foram 6 anos a vaguear por aqui. Entre dragões, elfos e anões, passei momentos fantásticos! Pena é que tenha acabado.


Foram 4 livros, mais de 3000 páginas e muitas horas... A "Colecção Herança" chegou ao fim. Acabei de ler o último livro (Herança) no Algarve e, depois de o acabar de ler, senti-me vazio, perdido, completamente sem rumo! Mas isto também me aconteceu quando cheguei ao fim do último livro do Harry Potter; só tenho de pensar que existe outra saga tão boa ou melhor (A Guerra dos Tronos) para eu começar a ler.

Voltei!

Cheguei ontem da minha última semana de férias na praia, este ano. Tenho que dizer que foram umas férias de Verão excelente (a próxima parte é só para fazer inveja): três semanas em Lisboa, com praia e passeios com amigos e com o meu namorado; dois dias na casa dele e, logo a seguir, uma semana de férias no Algarve, sempre de papo para o ar, para ter um bronze mesmo bronzeado!
Neste última semaninha despachei o último livro da Colecção Herança (que está ali ao lado, mas disso falo mais logo), vários jornais e várias revistas.
Fui ao FIESA, que é uma exposição (?) de esculturas de areia fantástica! Já vou há alguns anos e o tema muda sempre, da primeira vez que fui, em 2007, o tema era "As Maravilhas do Mundo"; este ano o tema era "Ídolos". Ídolos como a Madonna, a Julia Roberts, Channel, Mickey, Snoopy..., só para dar alguns exemplos. Fiquei muito zangado por não terem feito uma escultura para os Pokemón, mas fizeram uma para os Bakugan (não me perguntem o que é!); giro, giro, foi a escultura do "Harry e o Balde dos Dinossauros", desenhos animados que eu via.
Vou deixar algumas fotografias, mas aviso que a minha máquina é fatela e que foram tiradas à noite.
O Senhor Chaplin



O Homem Vitruviano

Vénus de Willendorf

Lucky Luke

Os grandes, os magníficos animais de "Madagáscar"

Snoopy

O amor mais inocente e duradouro!

Conhecem isto, conhecem? Alice nos País das Maravilhas =D

Não necessita apresentações... Sou eu É o Garfield.

Harry e o Balde dos Dinossauros! +.+


O Grande Steve.

Jonnhy Depp as Willy Wonka 

Mr. Yoda

She's simply the best!

A grande barriga da Shakira
(este nome é parecido ao da Grande Barreira de Coral...
Infelizmente esta última está muito danificada, felizmente a grande barriga da Shakira, não está!)

FADO!

Claro que com o fim das férias sinto-me mais gordo (não fiz nenhum e fartei-me de comer!), por isso hoje, Segunda-feira, dia 3 de Setembro de 2012, levantei-me da cama às 7 da manhã, de livre vontade, para ir andar de bicicleta! Fiz uns 4 km (?) em meia hora (estou cada vez melhor) e a modes que me sinto mais leve.
E já fui comer fruta, no meu lanche a meio da manhã... Avizinham-se tempos de mudança, minha gente! Ou então não.

24.8.12

As últimas...

Escrevo-vos da casa (e do computador) do meu namorado. Amanhã já me vou embora - com imensa pena minha (e dele) - e parto rumo ao Algarve, para uma semana com os meus pais.
Como tenho medo de não chegar a perceber esta história (e porque não tenho tido tempo para ver notícias nos últimos dois dias, porque enfim...), será que me podiam explicar ao certo o que se passou para estar tudo a falar desta imagem:


faziam isso?
Eu já ouvi algumas coisinhas mas não cheguei a perceber nada direito... Eu vejo quando voltar das férias, mas quero mesmo ver, sáchávôr!
Então, até ao próximo fim de semana (isto chega a levar hífen? Com o novo acordo, já nem sei!), portai-vos bem!

P.S.: E a nova decoração do blog, que me dizem? Se estiver bom, fui eu que fiz =D

22.8.12

Quero ler este livro!...


...e todos os outros que ainda não li deste fantástico escritor. Apesar de apenas ter lido uma obra de Paul Auster, posso afirmar que é dos meus escritores favoritos. E isto é literatura minha gente... da boa! 

Abre-se o coração e dá-se o amor.

Eu fui estúpido em convidá-lo para vir dormir a minha casa e ele foi estúpido em aceitar; ambos temos culpa. Já devíamos ter percebido que nunca poderemos ter uma amizade normal, porque existirá sempre aquela cena.
Aquela cena foi e será sempre uma cena importante na minha vida: o meu primeiro namorado, o meu primeiro amor, mas acabou. Acabou e creio que não há volta a dar, pelo menos neste futuro a médio prazo; é que sou feliz com um dos Anónimos deste blog e não troco isso por uma presença física constante.
O meu primeiro namorado veio dormir na minha casa, na minha cama e eu, na minha ingenuidade, era talvez o único a achar que ele não iria tentar nada... Mas estava enganado!
Com palavras doces, encostou-se a mim para me tentar fazer ver que só poderia ser verdadeiramente feliz com ele: que era ele que estava ali e não o meu Anónimo, que era ele que me podia proteger, que era ele com quem estava todos os dias... Mas para que serviria estar com ele todos os dias, se antes não tinha resultado? Ter de estar ao lado dele e fingir que sou um amigo como todos os outros, em todo o lado, era frustrante, sobrando-nos pouquíssimo tempo daquele escasso que já tínhamos.
Se das duas vezes não tinha resultado - ou resultou durante algum tempo, mas a que preço?! - porque iria resultar à terceira? Sim: crescemos, aprendemos um com o outro e poderíamos evitar cometer os mesmos erros e cometer outros novos e crescer ainda mais, mas eu era, sou e serei (assim farei por isso) feliz com o Anónimo deste blog. Não faria sentido deitar fora algo tão bom, magoar alguém tão fantástico como ele, só para tentar mais uma vez, só para satisfazer um capricho...
Confesso que quando conheci o Anónimo (e ele deixou de ser anónimo e passou a ter um rosto, uma voz, um corpo, uma personalidade) e quando percebemos que gostávamos um do outro, eu ainda tinha a esperança de que pudesse voltar para o meu primeiro (e único, até àquela data) namorado. Eu sei que ele estava apaixonado por outro, mas ele dizia-me que num futuro próximo talvez pudesse acontecer alguma coisa entre nós em resposta às minhas tentativas de me aproximar; e eu esperava que esse futuro fosse mesmo próximo.
A porta estava entreaberta, se ele quisesse entrar era só abri-la por completo que eu estaria do outro lado; mas o Anónimo fez-me ver que talvez fechar a porta fosse boa ideia, que talvez deixar que uma janela se abrisse fosse boa ideia... Havia gente a querer entrar e a porta estava ocupada!
Por isso afastei o meu primeiro namorado para a outra ponta da cama... Não era não e agora era tarde demais!
"É tarde demais."
"Porquê?"
"É tarde demais, já sou feliz!"
Decidi fechar a porta por completo quando o Anónimo me beijou pela primeira vez e tranquei-a definitivamente depois de toda esta cena. Não quero nem posso voltar para ele.
Mas o bom de um novo namorado, de uma nova paixão, arrisco-me até a dizer, de um novo amor é uma oportunidade para novos começos, para novas primeiras vezes.
A primeira vez que o beijei; a primeira vez que ele me agarrou a mão e que passeámos de mãos dadas; a primeira vez que me sentei ao colo dele e a primeira vez em que ele se sentou ao meu colo; a primeira vez que o abracei e o senti totalmente colado a mim, sendo parte de mim e nunca mais se desintegrando; o primeiro beijo de despedida... E agora, novas primeiras vezes: a primeira vez a dormir em casa dele, a passar com ele um dia inteiro, de manhã à noite; a primeira vez em que vou acordar ao lado dele; a primeira vez em que a primeira coisa que vejo, é ele!
Quinta-feira apanharei o comboio, sairei na estação certa e lá estará ele à minha espera, pronto para me receber de braços abertos para me dar todos os beijos e todos os abraços que fomos prometendo ao longo destes dias em que estivemos separados.
Ele é o único que eu quero.

20.8.12

AWESOME News!

Dia 24 vou a Lisboa ter com o meu namorado, para passarmos juntos o aniversário dele. Vou lá dormir e volto no dia a seguir. Tenho tantas saudades dele, do sorriso dele (ao vivo), dos beijos e abraços e mordidelas carinhosas...
Dia 26 parto para o Algarve para uma semana de férias só com os meus pais, como já há imenso tempo que não tínhamos! Vai ser giro, até porque tenho imensas saudades da casa dos meus tios.
E então, a modes que estou assim:


Férias Fantásticas!

19.8.12

Festa da Aldeia

-Menina: Mas tu és gay?
-Eu: Sou.
-Menina: Ah, não acredito! Dizes isso assim... Com tanta naturalidade... Tu não és gay!
-Eu: Ok.

14.8.12

Sou "um rapaz de gostos eclécticos" e não fui eu quem o disse.

[Vaya Con Dios - Don't Cry For Louie]

Estou a adorar o que ouvi deste grupo! E, por incrível que pareça, ouvi esta música pela primeira vez na festa da aldeia do meu avô, quando andavam a fazer as últimas afinações e o que tocava era uma playlist... 

13.8.12

E de repente...


...dou com uma notícia na "Maria" que diz que este menino (Jonathan Groff) é o suposto namorado do Zachary Quinto. E eu nem sabia que este menino era gay! 

9.8.12

Divagações sobre o post anterior

Não foi ontem ao jantar, foi hoje à tarde... Pedi-lhe para ir a Lisboa a uma festa de anos, de um amigo especial. Ele não perguntou mais nada e disse que logo se via, que ainda era muito cedo para pensar nisso (é dia 24).
Bem, sinceramente, nem sei.

8.8.12

Twitter Moment XXI

Hoje ao jantar vou pedir ao meu pai se posso ir a Lisboa à festa de anos do meu namorado... Wish me luck!

7.8.12

Twitter Moment XX

Não sei porquê, mas sempre que a minha mãe se refere ao facto de eu ser gay, diz que é opção.
"Então e eles já sabem da tua opção?"
Ainda não lhe disse nada, mas tenho de lhe fazer ver isso... Pensava que já tínhamos ultrapassado esta fase!

6.8.12

Sonsinha, sonsinha...

...mas nunca me conseguiu enganar! Fiquei surpreendido quando li, no Correio da Manhã, que ela tinha traído o Pattinson, mas no fundo já se estava à espera, porque as sonsas são as piores. Só me apetece chamá-la de vaca: primeiro porque entre um Lautner e um Pattinson, ela escolhe o segundo; depois porque traiu o Pattinson com um gajo mais velho e mais giro. Quer dizer... Bitch!


P.S.: Este post pretende propositadamente falar mal dessa grande sonsa que dá pelo nome de Kristen Stuart. Se não se sentem confortáveis, passem à frente.
Sempre que vou de férias para a casa da minha tia J., entro no mundo das novelas e fico a perceber histórias (mesmo pegando na novela a meio), conhecer personagens e a interessar-me. Desta vez não foi excepção e comecei a interessar-me por uma novela da SIC: Insensato Coração.
Foi lá que descobri este pedação de perdição, Jonatas Faro (que faz de Rafa).