16.10.11

Professores

No outro dia tive que responder às questões "O que menos gostas num professor?" e "O que mais gostas num professor?".
Odeio um professor que não sabe ser compreensivo e que não gosta de ser corrigido, quando se engana (mas como é óbvio, os professores são humanos!). E gosto de um professor que sabe brincar, mas que também sabe ensinar e que se abre com a turma assim uma coisa do género, para todos se sentirem bem.
Já alguns dos meus colegas discordam, mas não cheguei bem a perceber o que eles gostavam e não gostavam num professor... Porque eles diziam que a professora de Inglês era muito calma e quando a turma fazia muito barulho ameaçava que não continuava a aula e sentava-se (esta técnica não dá um resultado tão bom como a que é apresentada a seguir); por outro lado a professora de Matemática atirava um par de guinchos (ela tem a voz relativamente fina) e toda a gente se calava e nem se ouve o zumbir de uma mosca (geralmente, porque não há moscas na sala)!
Mas, pelo que percebi, preferiam a professora de Inglês à de Matemática...
O que eles querem é alguém que os controle e que os ponha na linha e obrigue a trabalhar, caso contrário estão-se, literalmente, a lixar para aquilo. E quando se apanham com um professor/a que não consegue controlar a turma, é o caos total!
Neste assunto tenho uma opinião bastante vincada: não quer estar ali, vai embora, a escolaridade obrigatória já foi ultrapassada e tudo! Geralmente respondem -me que os pais os obrigam a ir à escola e que isto e que aquilo; eu respondo para sairem de casa se estão descontentes, porque se os pais os obrigam é por algum motivo, uma vez que eles não vão estar ali uma vida inteira a sustentar os filhinhos lindos (e, oh, que esses filhinhos são os melhores do mundo e nunca fazem nada de mal, são tão santinhos, que deviam ser reconhecidos como tal pelo Vaticano).
É que ás vezes irrita-me profundamente estar a tentar aprender e ter gente ao lado que só está lá para destabilizar e quando são chamados à atenção é uma injustiça, eles não estavam a fazer nada, o professor/a é que não gosta deles...

E despeço-me à lá Alberto João Jardim: FUCK THEM!

Sem comentários: