6.8.10

Querido João

6 de Agosto de 2010

Querido João,

Necessito escrever-te para saber que alguém me ouve e me compreende. Não gosto de diários e então recorro a ti.
Não sei fazer um diário, nem tenho paciência para tal; é preciso seguir umas regras estranhas que para mim não fazem sentido… Tem de se detalhar tudo muito bem, mas eu não sei dar detalhes. E então não me peçam para dar detalhes sobre momentos especiais, porque eu não sou capaz; foi tudo tão importante que, ao descrevê-lo, me arriscaria a esquecer de alguma coisa.
Mas o assunto que me fez recorrer a ti foi outro… Queria – te falar da minha manhã... Acordei cedo, preparei-me e fui até àquela que vai ser a minha nova escola, a fim de tratar da minha matrícula. Enfim, burocracias…
A verdade é que estou com medo. Vai ser uma realidade nova, com caras novas e uma escola nova. Tenho medo, mas não sei muito bem de quê, percebes? E depois vêm as saudades…
Eu passei 5 anos da minha vida a ir sempre para a minha antiga escola, a ver as mesmas caras e a fazer amigos. Agora, de um momento para o outro vou-me deparar com novas personagens e muitos dos meus amigos ficarão para trás; e sem muito contacto constante, acabarei por fechá-los numa gaveta num recanto do meu cérebro e, acabarão cheios de pó e esquecidos. Perdidos na memória e no tempo.
Agora eu serei saudosista, ao ter saudades de tudo isto?
Diz-me João. Serei?
Eu penso que sim… Mas é mais forte que eu. Não consigo deixar de pensar em tudo o que deixei para trás, todos os momentos, todas as caras. Mas sei que se me habituar, as saudades serão esbatidas e encolherão.
É. Talvez tenhas razão… O melhor é não pensar nestas coisas e deixar tudo andar ao seu ritmo. Não apressemos nem atrasemos as coisas.

Um beijo,
Meu.

1 comentário:

André disse...

Sabes, umas amizades perdem-se e outras ganham-se. Não precisas de dizer adeus aos teus amigos, mantenham o contacto!
E é sempre bom começar do zero, vais ver que vais gostar, não penses nisso agora.

Resto de boas férias