11.2.10

Falar...

Queria falar mais com ele. Abrir - me com ele cara - a - cara e ele abrir - se comigo. Discutir qual o rapaz mais bonito do sítio, falar de coisas gay!
Queria(mos) ter coragem para fazer tal  façanha!, é que é exactamente isso que falta - coragem.


Enfim, ontem o dia teria sido perfeito para tentar falar com ele, mas tínhamos companhia... Companhia aquela a quem não se pode contar coisas demasiado importantes. Hoje, acho que tive alguns momentos a sós com ele e com a minha "maninha", mas eu prefiro começar a conversar com ele, abertamente e cara-a-cara, a sós!
Não sei porquê, mas acho que me sinto mais à vontade (apesar das oportunidades desperdiçadas...) para falar com ele sobre tudo e sobre nada, sobre o bem e o mal, a Vida e a Morte... Tudo! 


Hoje decidimos entre o nosso grupo de três amigos trocar as cartas de S. Valentim (eu sei, é só no Domingo, mas achámos por bem entregar hoje, já que no correio da escola as cartas têm de ser lidas... -.-)... Foi um dia interessante por isso! Passei a aula de Matemática toda a desejar sair dali, ir almoçar e ler a carta dele! Só tinha podido ler a primeira página, antes da aula, e tinha ficado curioso! A carta tem sentimento e foi escrita com o coração..., amei! Simplesmente sinto-me lisonjeado por merecer três páginas escritas com o coração dele, lisonjeado por saber que ele me considera o único amigo que vai estar lá sempre, lisonjeado por saber que sou importante para alguém (e como diz o anúncio: ÚTIL!). A minha "maninha" diz que ainda vamos namorar..., será? (Ele pergunta o mesmo na carta...) Será mesmo? O que será que ele sente? O que será que eu sinto?


A minha "maninha" também me entregou uma carta. Uma carta a que ela chama de prova de amizade... Mas prova de amizade é o que os verdadeiros amigos dão todos os dias por, simplesmente, estarem lá!
Não sei o que dizer acerca da carta dela a não sei que adorei e depois de a ler ficámos em silêncio (silêncio constrangedor)... Até que eu fui até ao pé dela e nos abraçamos durante muito tempo! Foi tão bom... Ela começou a chorar e eu estava a sorrir... Como sempre ela tentava ocultar as lágrimas, para quê? Podes chorar! Dou - te o meu ombro para chorares, fofa :)! Voltamos a abraçar - nos intensamente momentos depois e até ele se veio juntar :), soube tão bem! 


O que rege a nossa amizade:


"You have not lived until you have done something for someone who can never repay you." - Anonymous Author

4 comentários:

Esme disse...

por acaso aquele silencio foi constrangedor sim..

Sasha disse...

Mas confessa lá, o abraço a seguir compensou tudo isso... Não foi?

Edu disse...

Concordo... E tem que ser o mais rapidamente possivel, se faz favor!

Esme disse...

foi :) tirando a carrinha -.-